A prática pré-histórica de usar fogos controlados para produzir ferramentas de pedra personalizadas remonta a 300 mil anos, de acordo com novas pesquisas. A descoberta confirma a sofisticação cognitiva e cultural da espécie humana que vivia nesse período.

As ferramentas de sílex cozidas, encontradas na caverna Qesem no centro de Israel, são evidências de que os primeiros hominídeos eram capazes de controlar a temperatura do fogo e de que descobriram uma importante habilidade de sobrevivência, de acordo com uma nova pesquisa publicada nesta segunda-feira (5), na Nature Human Behavior.

O aquecimento da pedra a baixas temperaturas permitiu um melhor controle da descamação durante o talhamento. Armados com esse nível de controle, os fabricantes de ferramentas puderam criar suas ferramentas para aplicações de corte específicas. O novo trabalho foi liderado pelo arqueólogo Filipe Natalio, do Instituto Weizmann de Ciência de Israel.

Silje Evjenth Bentsen, antropóloga da Universidade de Bergen que não estava envolvida no novo estudo, disse que o uso do fogo entre os hominídeos é atualmente um tema quente na área de pesquisa arqueológica, e por boas razões.

“Pessoalmente, acho que os hominídeos não sobreviveriam por muito tempo no clima frio da Eurásia sem comida quente e fogo, mas alguns pesquisadores ainda argumentam que o uso controlado e habitual do fogo chegou bem tarde”, explicou Bentsen por e-mail. “Se os hominídeos da caverna Qesem usavam o fogo há 300.000 anos como tecnologia e como parte de suas estratégias de produção de ferramentas, é um sinal de uso avançado do fogo. E, como tal, também poderia nos ajudar a entender como e quando os hominídeos controlavam o fogo e o usavam casualmente em sua vida cotidiana”.

Da esquerda para a direita: uma tampa de panela, lasca e lâmina (sem escala). Imagem: A. Agam et al., 2020

Nossa espécie, Homo sapiens, emergiu recentemente na África durante este período, então é improvável que eles fossem responsáveis ​​por essas ferramentas de pedra. Ao mesmo tempo, vários dentes de hominídeo encontrados na caverna Qesem são semelhantes aos dos neandertais, então são um provável candidato. Independentemente disso, tanto o Homo sapiens quanto os neandertais “sem dúvida possuíam as habilidades cognitivas necessárias para implementar o tratamento térmico descrito no novo artigo”, de acordo com Katja Douze, uma antropóloga da Universidade de Genebra que não é afiliada à nova pesquisa.

Esta técnica de fabricação de ferramentas é conhecida pelos arqueólogos. Pesquisas anteriores sugerem que a prática estava sendo empregada no Levante entre 420.000 e 200.000 anos atrás. Pedaços de sílex queimado sugeriam a prática, mas não estava claro se isso era apenas algo aleatório ou se as pessoas estavam realmente controlando suas fogueiras com o propósito de criar ferramentas de pedra.

Douze disse que a prática de usar fogo para produzir lanças de madeira remonta a cerca de 400.000 anos, mas “o tratamento térmico de pedra provavelmente exigia um esforço técnico maior, especialmente para sílex, que é muito sensível a mudanças bruscas de temperatura”, disse ela. Se o processo de aquecimento não for bem controlado, “a rocha quebra imediatamente e não pode mais ser usada”, explica. Consequentemente, o novo artigo mostra que, “esse domínio não é apenas muito antigo, mas também complexo”.

“O estudo da equipe Qesem sugere que os primeiros hominídeos dominaram esse processo 300.000 anos atrás ou até antes, e isso nos dá muito que pensar”.

Como evidência desse tratamento térmico, Natalio e seus colegas analisaram dois tipos de ferramentas de sílex encontradas na caverna Qesem, que é conhecida por ter hospedado incêndios em seu passado antigo. Eles usaram uma análise química espectroscópica e aprendizado de máquina para estimar a temperatura na qual os itens de sílex foram aquecidos. Os resultados mostraram que as lâminas foram aquecidas a 259 graus Celsius, valor inferior ao das lascas, que chegaram a 413 graus Celsius. As tampas de panelas encontradas no mesmo local ficaram ainda mais quentes, com temperaturas chegando a 447 graus Celsius.

Para Douze, a demonstração de diferentes temperaturas de aquecimento para as lâminas e lascas foi o ponto alto do estudo.

“Essa diferença também garante que não há absolutamente nenhuma dúvida sobre o aquecimento deliberado da pedra neste local”, disse Douze. “Agora, resta determinar como esses hominídeos realizaram o aquecimento de seus blocos no local e como eles controlaram as diferentes temperaturas de aquecimento”.

As possibilidades citadas por Douze incluem o uso de banhos de areia sob as lareiras nas quais eles colocaram seus blocos, ou possivelmente vários tipos de sistemas de aquecimento necessários para atingir cada uma das temperaturas exigidas.

“O uso de aprendizado de máquina é um método inovador e oferece novas possibilidades para estudos futuros”, disse Bentsen. “As amostras de sílex foram aquecidas em ambiente controlado em um forno de laboratório. Isso nos dá uma boa linha de base para todas as mudanças induzidas pelo calor na pedra”.

De forma inteligente, os autores também realizaram uma arqueologia experimental, na qual replicaram essas condições para testar a plausibilidade das estimativas do computador. Funcionou, como os autores explicaram em seu estudo:

Esses experimentos de talhamento preliminares parecem apoiar a ideia de que o aquecimento controlado da pedra a temperaturas relativamente baixas oferece um maior grau de controle sobre lascas e a produção de lâmina melhorada, tornando-as mais adequadas para atividades específicas (por exemplo, maior eficiência no preparo de carnes).

Essa técnica pré-histórica, no entanto, teve um custo, pois exigiria que os hominídeos coletassem continuamente combustível para o fogo – uma atividade de alta energia. Consequentemente, os autores levantam a hipótese de que a coleta de combustível foi feita para apoiar a produção de ferramentas de pedra, bem como atividades do dia a dia, como cozinhar.

O fato de esses antigos hominídeos serem capazes dessa tarefa é uma grande descoberta, como explicou Bentsen.

“A capacidade de planejar com antecedência e compreender as muitas etapas diferentes de um processo é uma habilidade de sobrevivência vital”, disse ela. “Esse processo requer muitas etapas e um planejamento cuidadoso; você precisa saber quais rochas aquecer e reunir todas as rochas e o combustível. Você deve criar calor suficiente – nem muito quente, nem muito frio – e entender por quanto tempo o fogo deve durar. E após o aquecimento, as rochas devem esfriar cuidadosamente antes de serem usadas ou trabalhadas”.

Ao que Bentsen acrescentou: “O estudo da equipe de Qesem sugere que os primeiros hominídeos dominavam esse processo 300.000 anos atrás ou até antes, e isso nos dá muito que pensar”.