Há alguns dias, o empreendedor e bilionário Elon Musk apresentou o conceito do Hyperloop: através de tubos de aço, pods de alumínio levariam pessoas a até 1.200 km/h. Ele seria movido a energia solar e custaria menos que um trem de alta velocidade. Bem, por mais que você esteja apaixonado por esta ideia de transporte público, seu instinto talvez diga que isso nunca vai rolar.

A boa notícia é que, de acordo com especialistas que entrevistamos, a tecnologia é realmente viável. A má notícia? Isso pode não ser o bastante. O plano de Musk é futurista, belo e bem-feito. Só que ele pode ser mais ambicioso do que o problema que tenta resolver.

Uma verdade inegável sobre o Hyperloop é que ele chama a atenção. Ele promete viagens extremamente rápidas entre San Francisco e Los Angeles, e a um custo bem menor que a proposta de trem rápido para conectar estas cidades. Fora o ótimo nome, é claro. Quero andar nisso agora!

Além disso, se alguém consegue fazer o Hyperloop, é Elon Musk. Nossas preocupações tecnológicas às vezes são tão pequenas, mas esse cara pensa grande. Ao contrário de sonhadores sem poder que lançam ideias malucas por aí, Musk tem o prestígio para ser levado a sério, e o dinheiro para garantir que as pessoas ouçam suas ideias.

Então comecemos com a parte animadora: a parte na qual o Hyperloop realmente faz sentido.

É melhor do que já existe

ku-xlarge (8)

Para entender o Hyperloop, é importante entender por que ele existe. Esta é a resposta a uma pergunta simples: há como melhorar o sistema de transporte por terra? Por enquanto, o melhor que temos são ferrovias. Nos EUA, os trens conectam diversas cidades pelo país, mas não são muito bons. No Brasil, a situação é ainda pior: temos pouquíssimos quilômetros de trens entre cidades, e propostas de um trem-bala são caras demais.

Nos EUA, os trens são caros e não são melhores do que as alternativas. Enquanto isso, os trens Acela de “alta velocidade” são muito mais caros do que o trem comum (que por vezes é mais caro que uma passagem de avião), e em uma viagem de Washington DC para Nova York, você economiza só meia hora de viagem.

“Para o transporte de alta velocidade realmente pegar, ele precisa ser melhor do que o ônibus”, diz Andrea Marpillero-Colomina, parceiro do programa de Políticas Públicas e Desenvolvimento Urbano na universidade The New School. “O ônibus é péssimo.” Algumas pessoas gostam do trem entre Nova York e Washington DC, mas há um motivo pelo qual tantas empresas de ônibus cobrem a mesma rota – e com sucesso: ônibus não são bons, mas o trem não é bom o bastante para justificar o alto custo da passagem.

Qual a solução? Há uma proposta de trem de alta velocidade na Califórnia, mas ele não usa a tecnologia de levitação magnética (maglev) que está sendo implementada em países como Japão e Alemanha – e que permite aos trens voar baixo a mais de 450 km/h. Além disso, o projeto custará US$ 70 bilhões, que é muito dinheiro para se gastar em uma tecnologia antiga.

No Brasil, o trem-bala que deve ligar as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas pode não usar a tecnologia maglev: o edital deixa a opção tecnológica em aberto, e das empresas que concorrem na licitação, apenas a Transrapid (parceria entre Siemens e ThyssenKrupp) fornece a tecnologia. O custo estimado do trem-bala é de R$ 35 bilhões. Por sua vez, o trem Maglev Cobra, desenvolvido na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), é voltado inicialmente para o transporte público urbano, em vez de conectar municípios em alta velocidade.

Com o novo trem da Califórnia, uma viagem de San Francisco a Los Angeles levaria 2 horas e 38 minutos, a uma velocidade média de 260 km/h, o que é rápido comparado ao que existe nos EUA, mas que não impressiona em nível global. No Hyperloop, a mesma viagem seria feita em 35 minutos. E, como Musk assinala, o trem nem é mais eficiente em termos energéticos, quando você considera o gasto de energia por passageiro.

Musk vê o plano como um enorme desperdício de dinheiro, e então propõe o Hyperloop: 1.200 km/h, US$ 6 bilhões, e neutro em energia. Shin-pei Tsay, Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da startup TransitCenter, resume a proposta de Musk: “É uma solução extrema para uma situação inaceitável”. Parece o futuro que merecemos – e, no papel, é um futuro que podemos ter.

Velocidade máxima adiante

hyperloop concept

O que mais empolga sobre os planos de Musk é que, apesar de parecer bem futurista no todo, não há nada de especialmente novo em suas partes. Conceitualmente, ele se inspira em mais de um século de pesquisas sobre trens pneumáticos, e sobre transporte a milhares de quilômetros por hora. Na verdade, seu objetivo de 1.200 km/h é relativamente baixo, se comparado aos limites teóricos de transporte via tubos.

As tecnologias-chave da proposta, no entanto, são bastante simples:

  • um tubo de baixa pressão, pelo qual se movem os pods;
  • motores de indução linear, para mover os pods;
  • um potente compressor de ar, que transfere o ar pressurizado da frente para a traseira dos pods;
  • painéis solares, que darão a maior parte da energia consumida no Hyperloop;
  • e uma grande estrutura elevada, construída sobre pilares, que sustenta os tubos e os pods.

De acordo com Scott Marshall, engenheiro do Laboratório Nacional de Campo Magnético na Flórida (que projeta e constrói alguns dos maiores ímãs do mundo para institutos de pesquisa), “tudo parece fisicamente possível” de um ponto de vista técnico. Estas são tecnologias já implementadas e comprovadas; Musk só precisa reuni-las de uma forma única e, francamente, engenhosa.

Outra preocupação é com o tamanho: o Hyperloop pode funcionar em papel, ou mesmo como um protótipo, mas como você vai implementá-lo ao longo de centenas de quilômetros em áreas povoadas? A desapropriação de terrenos custa caro, e como apontam os críticos, Elon Musk não levou isso em consideração no custo do projeto. Parece algo preocupante… mas não deveria.

“Eu fui ao CERN… Estes são projetos grandes, de alto conceito e inéditos que foram concluídos”, explicou Marshall, em entrevista por telefone. E como exemplo, não temos só o enorme acelerador de partículas: há o programa Mars Rover, as missões Apollo, a ARPANET, e inúmeros outros exemplos de metas ambiciosas, anteriormente impensáveis ​​que foram concebidas e executadas.

Na verdade, você nem precisa olhar para o espaço sideral ou o bóson de Higgs. Um projeto desse tipo e magnitude já está acontecendo: o Japão está prestes a criar a próxima geração de seu sistema de trem-bala em massa, capaz de velocidades superiores a 450 km/h. Mas como? “Os trens são o programa espacial do Japão”, diz Marshall. O Hyperloop poderia ser um complemento ao programa espacial americano.

Nem tudo é perfeito, claro: alguns especialistas já apontam que os compressores de ar do Hyperloop geram mais calor do que Musk diz.

No entanto, é importante lembrar que o documento técnico de Musk é um projeto Alpha. Ele não disse que tudo vai funcionar exatamente do jeito que ele previu. Ele está dizendo: “Eu acho que podemos enviar pessoas em alta velocidade, através de tubos, de San Francisco a Los Angeles, e eis como isso pode funcionar – discutam”. As tecnologias e os planos, à medida que são desenvolvidos, mudam ao longo do caminho; mas com recursos suficientes, o Hyperloop poderia muito bem sair do papel.

Mas isso considera só a tecnologia.

O dinheiro não vai tão longe

Uma parte subestimada do Hyperloop é que, além de ser viável, ele tem um custo acessível, como Musk insiste. Ele está supondo que a única grande vantagem de sua tecnologia é economizar dinheiro e energia. É por isso que ele usa rolamentos pneumáticos em vez de levitação magnética, e por isso que ele posiciona seu orçamento de US$ 6 bilhões como um contraponto ao projeto ferroviário de alta velocidade na Califórnia, que custará US$ 70 bilhões.

O raciocínio de Musk faz sentido até certo ponto: os EUA vivem uma época de austeridade, e grandes gastos públicos não são uma boa estratégia política. Só que apostas em uma tecnologia ainda nova, e possíveis estouros de orçamento, também não são. E o Hyperloop apresenta esses riscos.

Se o Hyperloop não acontecer, não será por causa do preço proposto, e sim porque será muito difícil convencer as pessoas e o governo de que esta é uma ideia boa o bastante.

florida high speed

Pelo menos, é por isso que Marshall está cético. “Esses projetos exigem um grande comprometimento do setor público”, explicou ele, com um exemplo de seu próprio histórico recente. Na década passada, houve uma proposta séria para construir uma linha de trem maglev de 520 km na Flórida, ligando Tampa a Miami. O plano recebeu US$ 2,4 bilhões de financiamento federal, mas morreu uma morte política quando o governador Rick Scott recusou o dinheiro. Não era apenas um problema de provar às pessoas que seria um bom transporte público: o plano simplesmente não tinha o apoio da opinião pública para virar realidade.

E mesmo se você tiver uma boa vontade política, isso não vai necessariamente acabar com a burocracia. Dave King, professor de Planejamento Urbano da Universidade de Columbia, me disse estar surpreso que a proposta de Musk não menciona uma estrutura regulatória para o projeto, que o Hyperloop quase certamente vai exigir.

Carros, viagens aéreas e trens são tediosamente regulamentados. E isso é uma coisa boa, pois os torna mais seguros, e quem os construir será obrigado a garantir que são seguros. O Concorde não voou por mais de um ano após seu infame acidente em 2000. Mais recentemente, a implementação em massa do Boeing 787 Dreamliner foi sucessivamente adiada, porque ele fica pegando fogo. E todos estes incidentes aconteceram apesar de intensas regulamentações feitas especificamente para evitá-los.

Agora imagine criar uma estrutura regulatória inteiramente nova para uma tecnologia também nova. Qual órgão regulador ficaria responsável pelo Hyperloop? Tudo, da concepção dos tubos aos pods, precisa ser exaustivamente testado – não apenas pelos criadores, mas também pelo governo. E isso vai exigir um nível de vontade política – e dinheiro dos contribuintes – que só um apoio público maciço ou uma forte liderança poderia gerar. Só com sua personalidade e sua carteira, Musk não consegue fazer isso.

Na verdade, é exatamente por isso que o trem-bala da Califórnia ainda pode parecer preferível, mesmo com a ideia do Hyperloop. Os trens são conservadores. Eles não são muito rápidos, usam uma tecnologia com a qual estamos familiarizados, param com frequência suficiente para deixar todos satisfeitos. Algo conhecido sempre tem um apelo mais fácil.

Viagem sem causa?

hyperloop concept 2

Afinal, o Hyperloop é mesmo algo de que as pessoas precisam, ou algo que elas querem? Para que as pessoas apoiem o transporte de alta velocidade, ele precisa ser mais barato, mais rápido e mais confortável em relação ao que existe antes. É por isso que o transporte de alta velocidade funciona na Europa, e é a única chance de sucesso que o Hyperloop pode ter nos EUA.

Atualmente, dirigir de San Francisco a Los Angeles não é barato: são US$ 50, dependendo dos preços da gasolina e do consumo de combustível do carro. Se Musk conseguir que a passagem do Hyperloop custe US$ 105, como ele diz, seria um preço competitivo, mas não esmagador: uma hora de voo de SF para LA custa em torno de US$ 200. De acordo com King, o Hyperloop pode ser a solução para um problema que ninguém tem: “Não está muito claro se economizar tempo seria algo tão importante. Não é tão difícil ir de San Francisco para Los Angeles”.

Na verdade, dando uma olhada nos números, você começa a se perguntar se o dinheiro não seria melhor gasto em transporte regional. O número de passageiros por dia no California High Speed Rail é estimado em 260.000 pessoas. Isso é bem pouco, se comparado ao BART: este sistema público de transporte rápido cobre cidades próximas a San Francisco, e move 380.000 pessoas por dia. O Hyperloop, por sua vez, serviria apenas uma fração disso, porque ele não inclui todas as paradas intermediárias – vai direto de SF para LA.

E mesmo se o Hyperloop poupar tempo e dinheiro suficientes para torná-lo uma opção viável, que tipo de viagem seria? A tecnologia da Musk pode ser boa, e segundo ele, a alta velocidade não induziria ao vômito. Mas ele não abordou questões como, por exemplo, o conforto, espaço para as pernas, ou como e onde alguém poderá urinar.

Em sua encarnação atual, o Hyperloop parece friamente eficiente, como se Musk enlatasse você e atirasse em um túnel sem janelas. Ao imaginar o futuro que você deseja, geralmente há uma vista, não é mesmo? A velocidade é bacana, mas como King aponta, ninguém vai entrar em algo onde parece que você está passando por um tubo como uma bala de revólver. “Você só quer sentir a velocidade em um conversível.”

O plano de Musk precisa ser bastante discutido e cuidadosamente considerado. Será emocionante ver como projetos posteriores levam a ideia ainda mais para a frente, refinando e aperfeiçoando uma ideia já boa. A ambição tecnológica e a coragem por trás do Hyperloop são incontestáveis. Mas a ambição, know-how e financiamento não significam nada se você não tiver o tipo certo de apoio. E por enquanto, é difícil imaginar como Musk iria recebê-lo.

Imagem de capa por Michael Hession via Getty Images e Tesla Motors