Qualquer pessoa com uma impressora colorida sabe que vender cartuchos de tinta é uma das maneiras mais rápidas de se tornar um milionário. E se a sua impressora não precisasse de uma única gota de tinta para produzir cores em imagens em uma resolução altíssima? Uma nova impressora a laser já consegue fazer isso, utilizando padrões microscópicos de gravura em folhas de plástico.

• Este robozinho é uma impressora portátil que se move ao longo do papel
• Estas fotos capturam em detalhes os reflexos brilhantes das penas dos pavões

Pesquisadores da Universidade Técnica da Dinamarca se inspiraram em criaturas como borboletas e pavões, que possuem asas e penas que criam cores brilhantes e iridescentes não ao absorver pigmentos de luz, mas ao flexionar e espelhar a luz em um nível molecular, criando o que é conhecido por cor estrutural.

O novo método de impressão desenvolvido pela equipe utiliza folhas de plástico com milhares de colunas microscópicas com um espaçamento de apenas 200 nanômetros uma da outra. Para que esses pequenos pilares de plástico produzam cor, ou pelo menos aparentem produzir, eles aplicam uma pequena camada de germânio – um material metálico cinzento claro que brilha. Um laser ultrafino é jogado no germânio até que ele derreta em cada coluna, estrategicamente alterando o seu formato e espessura. Depois disso, é aplicado um revestimento protetor que ajuda a preservar a forma e a estrutura das colunas.

impressora-laser-plastico1

Quando a luz atinge essa superfície de plástico modificada, as ondas de luz saltam entre as diversas colunas, o que acaba alterando o comprimento de onda enquanto são refletidas, produzindo diferentes cores. Os pesquisadores conseguiram prever quais cores seriam produzidas pelos pilares em nanoescala e, ao criar padrões específicos, conseguiram gerar imagens reconhecíveis e de alto contraste.

Quanto contraste? A sua impressora de jato de tinta consegue produzir imagens com uma resolução de cerca de cinco mil pontos por polegada. Impressoras a laser, que utilizam um pó fininho chamado toner, conseguem chegar a uma resolução próxima de 20 mil pontos por polegada. E essa nova tecnologia consegue produzir imagens detalhadas com uma resolução impressionante de 127 mil pontos em uma única polegada quadrada, tornando-a ideal para itens anti-falsificação, já que marcas d’água de alta resolução poderiam ser criadas em tamanhos menores que a cabeça de um alfinete.

Essa tecnologia irá substituir sua impressora de jato de tinta que está sempre pedindo substituição de cartuchos? Nem tão cedo, mas futuramente poderia substituir toda a impressão de papel, já que essas folhas de plástico poderiam ser facilmente recicladas pelo mesmo laser que realiza a impressão. No futuro, a obrigação de recarregar constantemente a sua bandeja de papeis talvez acabe também.

[Science Advances via ScienceNews]