A Wacom, fabricante de tablets para desenho (também conhecidas como mesas digitalizadoras), fez sua mágica novamente para encantar ilustradores, designers e hobbistas do mundo inteiro: um híbrido de caneta com tablet que não precisa ficar ligada o tempo todo no computador para funcionar e o único extra que precisa é papel.

http://www.youtube.com/watch?v=fXbBA1DRE84

Depois de colocar um acessório no topo da sua prancheta/caderno de desenho/bloco de sulfite, você pode desenhar com a caneta da Wacom se estivesse usando uma caneta comum, só que ao mesmo tempo você estará digitalizando os desenhos. Apertando um botão você poderá fazer um novo layer. E quando você tiver acesso a um computador, poderá transferir tudo apenas plugando o cabo USB no acessório e todos os desenhos poderão ser exportados em forma de vetor ou bitmap. A Inkling também oferece transferência direta para o Photoshop, Illustrator e Autodesk Sketchbook Pro/Designer, economizando tempo. O vídeo mostra como tudo isso acontece.

Ela é uma alternativa bastante útil para quem curte desenhar, mas não consegue abandonar completamente o papel – como eu – ou para quem vive tendo ideias legais e rabiscando por ai em cadernos e não dá conta de digitalizar tudo. Claro, ela não parece ajudar muito na hora de fazer pinturas digitais, mas pelo menos reconhece pressão.

A Inkling será lançada na metade de setembro por U$199 e é um pouco mais cara que a mesa digitalizadora mais baratinha da Wacom, a Bamboo, mas tem o diferencial de poder ser usada em qualquer lugar, transportada facilmente na bolsa e poder ver o desenho que está fazendo sem ter que ficar olhando para o monitor, sem custar tanto quanto uma Cintiq.

O CTRL + Z não está incluso, mas com essa canetinha fantástica acho que isso não será problema. [Inkling via TechCrunch]