O Instagram está tentando dificultar a vida de quem é um babaca em sua plataforma – e até mesmo fazer essas pessoas refletirem sobre suas maneiras.

Em uma publicação no blog oficial feita nesta segunda-feira (8), o chefe do Instagram, Adam Mosseri, anunciou duas ferramentas que para impedir o bullying na plataforma – um problema muito comum nas redes sociais que, segundo ele, a empresa pode fazer mais para combater.

Uma das novas funcionalidades usará uma inteligência artificial para detectar comentários potencialmente ofensivos antes de que eles sejam publicados, encorajando a pessoa a reconsiderar se aquilo realmente deveria ser compartilhado.

Telas mostram ferramenta do Instagram que desencoraja pessoa de fazer comentário ofensivo.

Quando um usuário tenta comentar algo que está marcado desta maneira, eles verão uma janela que pedira que eles “repense o comentário que se parece muito com outros que foram denunciados”. De acordo com Mosseri, o Instagram já está disponibilizando essa ferramenta.

A outra medida anti-bullying dará mais ações para aqueles que sofrerem algum tipo de assédio na plataforma, permitindo que eles “restrinjam” comentários de outros usuários. Essa configuração fará com que os comentários da pessoa restrita fique invisível para todos, menos para si mesma. Os usuários que forem restritos “não poderão ver quando você está ativo no Instagram ou quando você visualizou as mensagens diretas enviadas”, disse Mosseri.

A opção é uma alternativa a bloquear ou deixar de seguir a pessoa, algo que o Instagram reconhece que pode exacerbar uma situação delicada.

Telas mostra opção do Instagram para restringir outro usuário

“É nossa responsabilidade criar um ambiente seguro no Instagram”, escreveu Mosseri. “Isso tem sido uma prioridade importante para nós há algum tempo, e estamos continuando a investir no melhor entendimento para combater esse problema”.

Mosseri disse que as iniciativas de empresa sobre o bullying são “especialmente importantes para adolescentes”, que ele disse serem mais propensos a sofrerem com bullying e menos propensos a denunciá-lo.

O executivo disse ainda que a empresa tem usado inteligência artificial para ajudar a combater esse problema “por anos”. Em um post de outubro de 2018, Mosseri escreveu que o Instagram estava usando machine learning (aprendizado de máquina) para identificar bullying em fotos e legendas.

O Instagram pode pertencer e ser operado por uma empresa que tem tido episódios questionáveis, mas ainda parece ser uma das últimas boas redes sociais, dependendo de como você a usa. E embora fazer o mínimo para combater o ambiente tóxico deveria ser inerente ao modo com que as redes sociais operam, muitas não estão ligando para isso.