O Facebook quer entrar há um tempo no ramo de vídeos, e parece que a empresa de Mark Zuckerberg convocou o Instagram para começar o contra-ataque ao Google. Nesta quarta-feira (20), o Instagram anunciou o IGTV, uma ferramenta para publicação de vídeos na vertical de 15 segundos até 60 minutos.

Os criadores de conteúdo poderão publicar vídeos apenas na vertical de seus smartphones e também pelo computador. “Nós descobrimos que públicos mais jovens estão gastando mais tempo vendo conteúdo de criadores amadores do que profissionais”, informa a rede em seu blog post sobre o anúncio.

O IGTV vai ser um aplicativo separado, mas também estará disponível no aplicativo convencional do Instagram, que ficará em um ícone ao lado do Direct, a ferramenta para enviar mensagens no Instagram. Como no YouTube, os criadores terão canais que poderão ser seguidos pelos usuários.

No aplicativo, basicamente terão as opções “for you”, “following”, “popular” e “continue watching”. Como no Instagram convencional, os usuários poderão curtir, comentar e enviar vídeos para amigos via Direct.

“A forma como vemos vídeos é antiga, foi feita para televisores na horizontal. E quando vemos esse conteúdo no smartphone é esquisito, pois temos que virar o aparelho”, disse Kevin Systrom, CEO do Instagram, ao justificar porque eles mantiveram os vídeos na vertical.

Por ora, não vai ter monetização. No entanto, o brasileiro Mike Krieger, que é cofundador do Instagram, disse para jornalistas que a rede vai conversar com criadores de conteúdo para pensar em formas deles ganharem dinheiro.

Aliás, a data do lançamento do IGTV foi marcada por outros dois marcos da rede social. Primeiro, o fato de fazer cinco anos exatos que a rede passou a permitir publicar vídeos curtos de até 15 segundos. Já o segundo tem relação com o alcance do serviço: o Instagram agora atinge 1 bilhão de usuários.

A marca de 1 bilhão é para poucos e o lançamento dessa nova plataforma mostra como o Facebook tem achado formas distintas de monetizar os usuários de suas diversas plataformas, além disso tem o fato de a rede social estar perdendo influência entre os jovens nos EUA. Então, o Instagram parece ser a plataforma adequada para que o conglomerado de Mark Zuckerberg continue crescendo.

Imagem do topo: Divulgação