Fogos de artifício são perigosos, barulhentos e só podem usados uma vez – e essa é a graça deles. A Intel deixou claro que quer acabar com isso e anunciou um pequeno drone chamado Shooting Star, capaz de criar um show de luz coordenado.

• Uma startup maluca quer criar uma chuva de meteoros artificial para as Olimpíadas de 2020
• O Estado Islâmico está usando drones convencionais para realizar ataques



Durante uma demonstração na Alemanha, a companhia estabeleceu um novo recorde do Guiness para o maior número de drones voando simultaneamente, utilizando 500 Shooting Stars para criar a apresentação.

A Intel explica:

Pesando apenas 280 gramas, ou menos que uma bola de vôlei, o drone Intel Shooting Star é fabricado com uma armação de plásticos flexíveis e espumas e não possui nenhum parafuso. As hélices do quadricópteros também são protegidas por gaiolas – todos os recursos foram projetados para garantir que o drone voe em segurança. Ele é à prova de respingos d’água e pode voar sob chuva leve.

O antigo recorde de drones voando simultaneamente também era da Intel. No ano passado, a companhia colocou no ar 100 quadricópteros pré-programados para formar desenhos e imagens.

Os “fogos de artifício” se mostraram bem mais complicados, mas a Intel diz que “algoritmos proprietários podem automatizar o processo de criação da animação ao usar uma imagem e rapidamente calcular o número de drones necessários, determinando onde eles devem se posicionar e reformulando o caminho mais rápido para criar o formato no céu”. A versão mais recente da tecnologia pode ser operada por uma única pessoa.

intel-drones-voa

A Intel ainda não anunciou um preço para o Shooting Stars e não há nenhuma previsão para que eles cheguem ao mercado. Seria surpreendente se um sistema elaborado como esse fosse vendido livremente. 500 pequenos drones pilotados por um tio bêbado definitivamente é mais perigoso do que acender alguns fogos.

Embora sejam divertidos, os fogos de artifício são um desperdício de dinheiro para governos locais e causam lesões desnecessárias.

A American Pyrotechnics Association estima que os americanos compram 130 milhões de quilos de explosivos anualmente, gerando uma receita de mais de um bilhão de dólares para a indústria de fogos de artifício. Além disso, são causadas cerca de 3,5 lesões para cada 45 quilos de fogos vendidos.

O MarketWatch coloca esses números em perspectiva:

Um simples show de fogos de artifício numa pequena cidade custa entre US$ 2 mil e US$ 7 mil, de acordo com a Premier Pyrotechnics. Uma cidade maior como Houston pode gastar bem mais. No show de 4 de Julho de 2016 foram gastos US$ 100 mil, de acordo com o Houston Business Journal.

Os fogos também não fazem bem ao meio ambiente. Eles emitem dióxido de carbono, geram muito lixo e a poluição sonora assusta os animais de estimação. De acordo com o Guardian:

Um recente estudo da Environmental Science & Technology descobriu que a contaminação de perclorato nas águas dos lagos de Oklahoma ficam até 1028 vezes acima dos valores de referência no período de 14 horas após o show de fogos do dia 4 de Julho que é realizado anualmente nos EUA. Em grandes doses, esse químico pode afetar o desenvolvimento do sistema nervoso central de crianças.

Um estudo chinês descobriu que a poluição do ar ficou cinco vezes maior do que o normal durante o Festival das Lanternas de 2006 em Pequim, quando fogos explodiram em toda a cidade.

Os drones não são alternativas perfeitas e sem riscos. Então é melhor que a Intel cuide muito bem do sistema de segurança desses pequenos quadricópteros.

[Intel via Motherboard]