Na semana passada, um misterioso grupo de hackers divulgou ferramentas de invasão da NSA (Agência de Segurança Nacional), o mais poderoso grupo de espionagem do mundo, e exigiu milhões de dólares em bitcoins para revelar mais ferramentas que eles obtiveram. Agora, um hacker separado afirma ter o restante das ferramentas.

Documentos de Edward Snowden confirmam que a invasão à NSA é real
Invasão à NSA revela falhas de segurança na internet que duraram anos

O usuário @1×0123 começou a postar suas alegações na noite passada. Em uma conversa com o Gizmodo, ele exigiu US$ 1.000 para mostrar capturas de tela de um suposto curso da NSA.

Perguntamos o que havia no restante dos arquivos que o hacker obteve, e ele disse: “um monte de vulnerabilidades zero-day para CMS multitipo e alguns scripts… há várias bibliotecas em Python para exploits… em geral, tudo sobre ataque a redes”.

https://twitter.com/1×0123/status/767701244446175232

https://twitter.com/1×0123/status/767705639162437632

Não está claro como o hacker teria roubado os arquivos vazados, e ele se recusou a explicar além de dizer: “negociei alguns exploits para acessar um local privado e roubei o arquivo tar”.

Isto poderia significar uma variedade de coisas, mas parece indicar que ele enganou o Shadow Brokers, grupo que inicialmente alegou ter acessado as ferramentas da NSA, e roubou o arquivo .tar contendo os exploits.

Este hacker já realizou outras invasões e vendeu exploits no passado. E Edward Snowden deixou um grande elogio para @1×0123 depois que ele apresentou um relatório de bug para a Freedom of The Press Foundation.

Claro, seu suposto screenshot de uma conversa com Snowden poderia ter sido falsificado.

https://twitter.com/1×0123/status/767564288160571392

E não pudemos confirmar se é algo legítimo: ele se recusou a fornecer muitos detalhes, citando jornalistas que “ferraram negócios para mim” no passado.

“Eu posso compartilhar 50% de tudo com você, se você tiver uma oferta para mim”, disse o hacker ao Gizmodo. “Eu só preciso de algum dinheiro para pagar contas e outras coisas.”

Foto por Patrick Semansky/AP