É difícil (e geralmente nada produtivo) adivinhar o quão rica uma pessoa é baseando-se em sua aparência. Mas se você quiser um atalho para descobrir se uma pessoa é rica ou não, tudo o que você precisa fazer é ver qual celular ela tem. Se ela tiver um iPhone, é bem provável que ela esteja bem de vida.

• Apple e Samsung encerram batalha judicial por patentes que já durava sete anos
• Alguém precisa falar o óbvio: não faz o menor sentido um celular custar R$ 7 mil

Pelo menos essa é a sugestão de um novo estudo de economistas da Universidade de Chicago, que recentemente publicaram um artigo na National Bureau of Economic Research destacando como o comportamento dos consumidores e o consumo de mídia podem interferir na informação demográfica. O iPhone é um símbolo bem consistente de riqueza nos Estados Unidos.

É claro, se uma pessoa tem um iPhone isso não necessariamente significa que ela é rica, mas o aparelho serve como o indicador mais confiável para determinar se alguém está entre aqueles que possuem mais renda. “Passando por todos os anos de nossos dados, não há nenhuma outra marca individual que ofereça um indício tão forte de alta renda como um iPhone”, escreveram os pesquisadores, de acordo com o Business Insider.

Os dados mostraram que possuir um iPhone davam aos pesquisadores 69% de chances de identificar corretamente o dono como “sujeito com alta renda”.

Existem algumas exceções, é claro. Embora os novos iPhones geralmente tenham um preço alto quando não estão ligados a um plano de operadora, os iPhones antigos continuam circulando no mercado ativamente.

No ano passado, antes do lançamento do iPhone X e iPhone 8, a empresa de pesquisas Newzoo analisou todos os iPhones em circulação e descobriu que a maioria dos dispositivos em uso eram do modelo mais recente. Na época, a linha do iPhone 7 correspondia a 19% de todos os aparelhos. Os outro 81% iam desde iPhones 6s, até iPhones 4, que foi lançado em 2010.

Apesar da polêmica de redução de desempenho em aparelhos mais antigos, a Apple é uma das melhores empresas quando se trata de manter o suporte a celulares antigos. A versão atual do sistema operacional da companhia, o iOS 11, suporta cinco gerações de dispositivos – o mais antigo é o iPhone 5S, que foi lançado em 2013. Quando o iOS 12 for liberado daqui alguns meses, ele poderá ser instalado em todas essas gerações – além dos novos aparelhos que devem ser lançados.

Ou seja, se você está procurando por um indício que coloque uma pessoa entre as mais ricas, procure pela logo da Apple.

Possuir um smartphone, em geral, é um indicador de “alta renda” de acordo com a pesquisa, já que possuir um celular Android ou um iPad também serviram de indicadores confiáveis para determinar a riqueza de uma pessoa.

De acordo com um relatório da Pew Research do ano passado, 64% dos norte-americanos de baixa renda possuem um smartphone.

A informação que talvez seja a mais interessante do artigo diz respeito a velocidade com que o iPhone se tornou um símbolo de status e o que ele substituiu nos Estados Unidos. Em 1992, o indicador mais confiável de alta renda era possuir uma máquina de lavar louça automática ou uma secretária eletrônica. Em 2004, comprar um carro novo ou possuir um computador foram alguns dos principais indicadores de riqueza.

Em 2016, a maioria dos símbolos de riqueza são eletrônicos, como ter um iPhone, um iPad, um smartphone Android ou um equipamento de TV Samsung. Captura de tela: National Bureau of Economic Research

[9to5Mac, Business Insider, National Bureau of Economic Research]

Imagem do topo: Getty