A decisão da Apple de mudar o iPod nano – da obesa terceira para a esbelta quarta geração – deve ter sido fácil. A nova versão tem a tela do mesmo tamanho e o mesmo suporte a vídeo, mas acrescenta uma opção com 16 GB (sai a de 4 GB; a de 8 GB continua), um formato oval algo mais confortável, uma tela curvada, um acelerômetro e, mais importante, uma interface de uso muito melhor, que procura resolver as limitações do clickwheel (em comparação com as interfaces do iPod touch e do iPhone). É um ótimo aperfeiçoamento, ainda que secundário.