Esta semana, a Apple anunciou que as vendas de iPods estão despencando. Enquanto isso, suspeitamos que o iPod Nano deve ganhar uma câmera. "Por quê?", eu pergunto. Os iPods tradicionais — o Classic, o Nano e o Mini — ainda não morreram, mas com certeza estão morrendo.

Eu tenho um iPod Classic de 160GB, e pensei que precisaria dele. Mas com meu iPhone de 32GB, acabo deixando meu iPod em casa, mesmo quando eu viajo. Eu já tive a ideia de encher o iPod de vídeos. A ideia não se realizou, porque hoje em dia é mais fácil ligar o laptop na TV. Eu gosto de ter um iPod Touch em casa, no entanto, porque quando minha filha quer assistir vídeos, eu dou o iPod pra ela, em vez do meu celular.

Só que um iPod Touch com câmera faz sentido, um passo rumo ao iPhone. Mas colocar uma câmera no Nano causa o efeito oposto: ele vira um objeto misterioso, algo completamente diferente de todos os outros produtos do universo, e isso não é bom. Seria algo a mais para aprender, com mais funções misteriosas escondidas do que ele tem agora.

Sejamos hoenstos, o Nano é feito para tocar música. Assitir vídeo naquela telinha minúscula é uma piada, com acelerômetro ou não, e nunca conheci alguém que guarde a agenda ou contatos nele, ou que use um aplicativo ou jogo nele. Colocar mais tecnologia no Nano é um erro que empresas — exceto a Apple — cometeriam: claro, é "legal" fazer isso, mas é pouco prático e uma perda de tempo.

O Classic já é outra história, uma história de menor demanda. MP3 players com disco rígido hoje são raros, e há uma discussão recente de que o disco rígido de 1,8" está a caminho da extinção, porque a memória flash finalmente ficou barata. Eu acho que a Apple ainda vai continuar vendendo o Classic, pelo menos até conseguir fabricar iPods Touch com 64GB sem vender muito caro, mas não creio que eles vão mudar o Classic de forma relevante, e com certeza não vão fabricar iPods de 240GB — apesar de ser possível.

Se o Classic é justificável para quem tem uma biblioteca de mídia grande como a minha, a razão de ser do Nano é o preço menor — ele custa menos que o iPod Touch. Nos EUA, o Touch de 8GB custa 230 dólares; o Nano de 16GB sai por 200. Se a Apple derrubasse o preço do Touch para 199 dólares, venderia bem menos Nanos do que vende hoje.

Dane-se a câmera: o que a Apple deveria estar fazendo agora é baixar ainda mais o preço do Nano. A Samsung e a SanDisk vendem players de 8GB por menos de 100 dólares nos EUA. A loja iTunes não é justificativa: com pouco ou nenhum trabalho, é possível tocar as músicas compradas na loja em qualquer player de MP3. Além disso, quase todos os esforços das outras empresas estão voltados para construir um substituto barato para o Touch — não para o Nano.

Como a própria Apple falou no conference call de anúncio de resultado financeiro, "nós esperamos que os players de MP3 tradicionais decaiam com o tempo, à medida que nós nos canibalizamos [concorremos com nós mesmos]" com o iPhone e o iPod Touch. Eles admitem que os iPod Touch vendem como água, enquanto a demanda por iPods com clickwheel caiu. Só não entendo o porquê da Apple em promover iPods tradicionais, quando eles deveriam morrer em paz.