Os aviões nos dão cada vez menos espaço para as pernas, e a situação piora quando o passageiro da frente resolve reclinar o assento. Portanto, não é surpresa que isso seja motivo para um bate-boca entre passageiros. Mas esta semana, uma briga dessas ficou tão acalorada que o avião foi desviado de seu destino.

E o que desencadeou o conflito? Um pequeno gadget chamado Knee Defender (defensor do joelho), que impede que o assento da frente seja reclinado​​.

Funciona assim: você abre sua mesinha, insere os dois blocos de plástico nos braços da mesinha, e pronto – eles agem como uma barreira para o movimento do assento, e impedem que ele se recline para trás.

O Knee Defender foi lançado em 2003, custa US$ 21,95, e surpreendentemente só agora está ganhando as manchetes.

Os dois passageiros não identificados, ambos de 48 anos, estavam em um voo da United Airlines de Newark para Denver (EUA), uma distância de aproximadamente 2.800 km. Da Associated Press:

A briga começou quando o passageiro, sentado em uma poltrona no meio da fileira 12, usou o Knee Defender para impedir a mulher na frente dele de reclinar o assento enquanto ele estava em seu laptop, de acordo com um agente policial com conhecimento da situação, que falou em condição de anonimato porque não está autorizado a comentar o caso.

A comissária de bordo pediu-lhe para remover o dispositivo e ele se recusou. A mulher então se levantou, virou-se e jogou um copo d’água nele, diz o agente. Foi quando a United Airlines decidiu pousar em Chicago. Os dois passageiros não foram autorizados a continuar o voo para Denver.

O mais engraçado é que os dois passageiros deste incidente estavam sentados na seção United Economy Plus, que diz oferecer 10 cm a mais de espaço para as pernas do que a classe econômica.

O gadget finge ser educado, e vem com pequenos cartões de cortesia que você pode imprimir e entregar ao passageiro à sua frente, para explicar por que o assento reclinável não está funcionando. A FAA (órgão americano de aviação) diz que o Knee Defender não viola quaisquer regras, mas cada companhia aérea pode bani-lo se quiser – a Delta e a American Airlines se manifestaram contra ele desde seu lançamento, há mais de dez anos.

No entanto, nenhuma acusação foi feita neste caso em particular, e parece que o Knee Defender continuará a proteger joelhos no espaço aéreo. [AP]