Lançados aqui pela Livraria Cultura, os e-readers da Kobo correm por fora e se apresentam como uma alternativa bem válida ao Kindle, da Amazon. Ontem a família cresceu e ganhou um recurso bem bacana para levar a web às suas telas monocromáticas.

Serviços do tipo “leia depois”, como Instapaper, Pocket e Readability, são grandes sucessos — nós aqui usamos e adoramos. Normalmente as plataformas onde eles são mais comumente vistos são smartphones e tablets, ma há sinais de que os e-readers podem, também, ser um bom local para consumir artigos maiores encontrados na web. A Amazon lançou o botão “Send to Kindle” não faz muito tempo. A abordagem da Kobo é um pouco diferente: ela firmou uma parceria com o Pocket.

A conexão entre as duas plataformas se dará pelo Reading Life, uma parte dos e-readers e apps Kobo que traz coisas bem… estranhas para a experiência de ler, como conquistas (?) e medalhas (!?) pelos seus feitos literários, estatísticas de leitura e integração com redes sociais. A partir de 13 de setembro, os e-readers receberão o Pocket via atualização de firmware e, neles, o serviço se comportará tal qual em outros lugares onde já está disponível: sincronização automática, leitura offline, arquivamento de textos lidos, favoritos e algumas opções de formatação de texto.

A família Kobo cresceu

Além da integração com o Pocket, foram anunciados novos membros da família Kobo.

O Kobo Aura de seis polegadas tem praticamente as mesmas características do Kobo Aura HD (já disponível no Brasil por R$ 659) com apenas duas diferenças: a tela, que perde um pouco em definição (212 PPI contra 265 PPI) e o acabamento na parte de trás, que perde aqueles triângulos ergonômicos (e estranhos) e ganha, em seu lugar, uma superfície plana e suave ao toque, feita com “micro-acolchados”.

Tablets Kobo Arc

Tablets Kobo Arc.

Mas o destaque mesmo são os novos tablets Kobo Arc. É a segunda investida da Kobo nesse mercado tão saturado e com margens tão baixas, mas os novos modelos prometem focar em algo único: leitura.

Ok, ok, é verdade que muita gente usa tablets majoritariamente para ler. (Eu sou um deles!) A grande sacada da Kobo é se apossar dessa ideia e otimizar os tablets para tal finalidade. Os novos Kobo Arc vêm com um “Modo Leitura” que, quando ativado, desabilita todas as notificações e otimiza brilho e bateria para a leitura, podendo estender a autonomia de horas para dias. O mais legal? O mecanismo entra em ação automaticamente quando você começa a ler alguma coisa (mas, sim, dá para ativá-lo manualmente também se for o caso).

São três modelos, dois de sete polegadas, um de 10, todos rodando Android 4.2.2 Jelly Bean:

  • Kobo /Arc 7: SoC MediaTek MT8125 quad-core de 1,2 GHz, 1 GB de RAM, tela de sete polegadas com resolução de 1024×600, 8 GB de memória interna, slot para cartão microSD e câmera frontal de 0,3 metapixel. US$ 150.
  • Kobo Arc 7HD: SoC Tegra 3 quad-core de 1,7 GHz, 1 GB de RAM, tela de sete polegadas com resolução de 1920×1200, câmera frontal de 1,3 megapixel e slot para cartão microSD. Promessa de 8 horas de uso antes de precisar de uma tomada. US$ 200 (16 GB) e US$ 250 (32 GB).
  • Kobo Arc 10HD: SoC Tegra 4 quad-core de 1,8 GHz, 2 GB de RAM, tela de 10 polegadas com resolução de 2560×1600. A promessa é que a bateria, que tem duração estimada de 9,5 horas, chegue a 10 dias no modo leitura. US$ 400 (16 GB).

Lá fora a pré-venda já começou e os tablets serão lançados no dia 18 de outubro. Por aqui fica a esperança de que a Livraria Cultura, que comercializa e fornece conteúdo para os e-readers da Kobo, traga eles também. [Kobo, Pocket, Gadget Lab]

Atualização (29/08): Segundo a Kobo, eles serão lançados no Brasil “somente no início de 2014”.