À medida que os carros adotam cada vez mais componentes eletrônicos, eles se tornam vulneráveis a invasões. Os ladrões sabem disso, e estão usando laptops para entrar no veículo e acionar a ignição.

>>> Intel explica quais componentes de um carro conectado podem ser hackeados

Na cidade de Houston (EUA), dois meliantes foram filmados usando um laptop para acionar um Jeep Wrangler 2010 e roubá-la de uma garagem. A polícia diz ao Wall Street Journal que o mesmo método pode ter sido usado no roubo de seis outros veículos, todos Jeeps. Nenhum deles foi recuperado.

Pior: o National Insurance Crime Bureau (NICB), grupo que acompanha roubos de carro nos EUA para as seguradoras, diz que casos com uso de dispositivo eletrônico são cada vez mais comuns, “se tornando a nova forma de roubar carros”.

Um executivo da Fiat Chrysler, que fabrica os Jeeps, acredita que os ladrões de Houston “estão usando ferramentas internas de revendedoras para associar outra chave eletrônica ao carro”. O ladrão insere o número de identificação do veículo no sistema da revendedora, e recebe um código que é introduzido no computador do carro, fazendo-o aceitar a nova chave.

Falhas de segurança em carros não são novidade. Em 2010, falamos por aqui sobre um estudo que mostrava como os carros conectados da época eram vulneráveis a ataques remotos.

E no ano passado, uma reportagem da Wired mostrou como era possível controlar veículos da Fiat Chrysler à distância, incluindo um Jeep Cherokee. A montadora fez recall de 1,4 milhão de veículos para resolver a brecha de segurança.

O perigo é que isso está se tornando mais comum. O vice-presidente do NICB nota que, por enquanto, esse tipo de roubo high-tech “é minúsculo se comparado ao total”, mas mostra que os ladrões estão se preparando para ficar um passo à frente.

[Wall Street Journal via Estadão]

Foto por Abdullah AlBargan/Flickr