Talentosos com pincéis nas mãos, os mestres do Renascimento não entendiam muito de preservação artística. Então ao longo dos anos as pinturas deles desbotaram com a exposição à luz solar. Mesmo a obra-prima de Michelangelo no teto da Capela Sistina foi submetida a danos causados pelo sol até o Vaticano selar suas janelas na década de 1980.

Depois do Vaticano cobrir as janelas da Capela Sistina, a obra-prima de Michelangelo foi deixada no escuro. Mas em vez de afastar os milhões de visitantes que esperam contemplar o trabalho todos os anos, o Vaticano instalou uma iluminação de halogêneo de baixa energia que protege os pigmentos da pintura – ao custo de obscurecer os detalhes finos e cores vibrantes. Não foi a solução ideal, mas ao menos a obra-prima ficou protegida de danos.

A obra de Michelangelo na Capela Sistina

No entanto, para garantir que entusiastas de arte façam a peregrinação até o Vaticano para apreciar o melhor da obra de Michelangelo, a Capela Sistina vai ativar um novo sistema de iluminação LED criado pela Osram para colocar as melhores luzes possíveis para a peça.

Cerca de 7.000 LEDs são especialmente calibrados com um algoritmo sofisticado de correção de cores para iluminar o teto, para que as cores sejam as mais próximas do que Michelangelo queria que fossem, já que historiadores de arte acreditam que ele misturou e escolheu as cores usando a luz do dia, que tende a ser um pouco mais fria do que a de lâmpadas halógenas e velas.

A obra de Michelangelo na Capela Sistina

Apropriadamente programado para os próximos meses para coincidir com as comemorações do aniversário de 450 anos da morte de Michelangelo, o sistema também tem como vantagem o fato dos LEDs serem frios e rodarem sem nenhuma luz dos espectros infravermelho e ultravioleta, que podem danificar a obra de arte. Como resultado, o sistema de iluminação será instalado dentro da sala, e foi projetado para se esconder atrás de uma borda estreita no interior da Capela Sistina. Assim, as luzes não vão distrair os visitantes da verdadeira estrela do show. [Osram via The Atlantic]

Photo via Wikimedia