Novos televisores e um tocador de Blu-ray com disco rígido embutido são os grandes destaques entre os lançamentos da LG na CES 2010, segundo os nossos companheiros do Giz US. Além de procurar melhorar características intrínsecas aos aparelhos (como qualidade de imagem, no caso das TVs), a empresa coreana continua a apostar na inclusão de recursos extras, principalmente no quesito conectividade.

O tocador de Blu-ray BD590 tem um disco rígido de 250 GB embutido, que pode armazenar música, imagens e vídeos transferidos via USB ou Ethernet. O aparelho faz cópias de CDs de áudio direto no HDD. Aparentemente não é possível fazer o mesmo com DVDs e BDs. (De qualquer maneira, como observa John Herrman, 250 GB não é muito espaço para cópias de BDs.)

O BD590 ainda tem conexão Wi-Fi 802.11n e funcionalidade DLNA, o que permite a reprodução de conteúdo armazenado remotamente em sistemas compatíveis.

Entre as TVs de LCD, o destaque é a Infinia LE9500, o primeiro modelo 3D-ready da LG disponível nos Estados Unidos. Com iluminação de LED e versões de 55 e 47 polegadas, a LE9500 tem menos de 2,5 cm de espessura e o sistema de controle remoto Magic Wand, que usa poucos “botões e gestos para controlar a atividade na tela, espelhando uma experiência ‘Wii-like’”, nas palavras do próprio press release.

Os televisores de plasma Infinia PK950 e PK750 têm um novo design que procura diminuir o reflexo na tela (uma das desvantagens dos aparelhos de plasma em relação aos de LCD). O release não cita (ou eu fiz uma leitura dinâmica muito porca – assessorias, por favor, sejam sucintas e organizadas na redação desses documentos!) o tamanho desses modelos, mas acredito que sejam telas de 50 e 60 polegadas. O PK950 também conta com controle Magic Wand.

Grande parte dos modelos – tanto de plasma quanto de LCD – incluem o NetCast Entertainment Access, que oferece acesso a serviços como Skype, Netflix, YouTube e Yahoo! Widget Engine. Outro recurso comum é conectividade a dispositivos DLNA. Os aparelhos mais avançados ainda conseguem reproduzir conteúdo multimídia armazenado em dispositivos conectados via USB.

De resto, como em todo ano, a LG garante que os novos televisores (ou pelo menos boa parte deles) têm melhor qualidade de imagem e mais eficiência no consumo de energia, além de serem mais finos.

Encaro com certa desconfiança a inclusão de tantos recursos extras, principalmente em televisores, mas pelo jeito é um processo meio irreversível. Até entendo a inclusão de funcionalidades como os widgets do Yahoo! (viva a comodidade), mas a reprodução de conteúdo de multimídia parece tão meia-boca – e é uma função exclusiva dos modelos mais high-end, o que soa um pouco contraditório, já que o público-alvo desse segmento é justamente um consumidor mais ligado em tecnologia que provavelmente faria pouco uso desse recurso. Mas posso estar (bem) enganado.

Não me incomoda tanto ter aparelhos com recursos extras; o que não gosto é de pagar por coisas que não quero e que não usarei. No caso dos televisores, por exemplo, seria legal ter alternativas sem frescuras extras – mas equipadas com os painéis mais sofisticados.

[Gizmodo, Gizmodo, Gizmodo]