Querido Lifehacker,

Querido Lifehacker, o CEO do Google falou alguma coisa sobre uma nova versão,­ que estaria vindo depois do Android 3.0 (“Honeycomb”), e está ligada com o Android 2.3 (“Gingerbread”), que ainda nem saiu direito, e pode ser atualizada já. Então, anh, o que exatamente está acontecendo com o Android? Ajude-me a entender todas essas sobremesas!

Atenciosamente,
Abismado pelo Android­

Querido Abismado,

Aqui está nossa melhor tentativa de tentar decifrar os anúncios oficiais feitos por Eric Schmidt no Mobile World Congress, declarações feitas aqui e acolá por funcionários do Android e fragmentos não-tão-oficiais que ajudam a clarear essa imagem confusa e abstrata.

A maioria dos smartphones Android, atualmente, está rodando Android 2.2, “Froyo”.


Um pouco mais da metade de todos os dispositivos Android no mundo estão rodando Android 2.2, também conhecido como “Froyo.” (isso varia bastante de país para país, mas a média mundial é essa). A estatística tem como base o relatório do Google, que foi baseado em dispositivos que acessaram o market (mesmo que tenha sido apenas para verificar atualizações de app no background) nas últimas duas semanas. A segunda maior parte está com Android 2.1, “Eclair,” com pouco mais de 30 por cento. Android 2.1 é tecnicamente um update para 2.0, que também tem o nome de “Eclair”, mas vamos separar essa parte da confusão que está no passado agora.

Android 2.3 “Gingerbread” tecnicamente foi lançado, mas praticamente não está disponível.

Menos de 1% dos dispositivos estão rodando Android 2.3, porque ele só está disponível no Nexus S (e apenas na T-Mobile nos Estados Unidos), ou para usuários do Android que instalaram firmware não oficial em seus aparelhos (depois de um processo conhecido como “rooting”).

Geralmente, o Google lança cada versão de Android por um tempo curto como exclusivo de um celular em particular, de uma só operadora, antes que o código fonte da versão fique disponível para fabricantes de celulares, operadores e desenvolvedores de app. Nesse caso, é o Nexus S na T-Mobile, que é um “hardware de referência” para desenvolvedores usarem, mas tem pode ser referência para o resto do público, que pode comprá-lo em qualquer loja da Best Buy nos EUA. O código fonte para o 2.3 já foi lançado, e versões não-oficiais chegaram às mãos dos hackers de firmware.

Então por que o Gingerbread não está disponível em nenhum outro lugar além de um único celular? A resposta mais precisa seria “Inúmeras decisões vindas de diferentes partes com interesses variados.” Mas eu diria que o fator mais importante é que Android 2.3 não é um update tão grande. Não nos leve a mal – teclado, gerenciamento de apps, e alguns retoques nos gráficos são legais. Mas se você vai pagar um time de programadores para atualizar seus dispositivos, gastar centenas de horas de trabalho testando-os, e quer se proteger aguardando por um update mais novo e maior que pode vir em breve, você, como operadora ou fabricante, pode não estar tão ansioso assim por um monte de pequenos detalhes bacanas.

Android 3.0, “Honeycomb,” é apenas para tablets

A versão do Android que o Google demonstrou em tablets é feita exclusivamente para tablets. Isto foi confirmado pelo Google, mas ficou confuso por causa de relatos de Honeycombs híbridos que podem um dia rodar em celulares. E isso faz sentido – muitas funções orientadas para tablets do Honeycomb são coisas que o iPad poderia aprender. Mas o Honeycomb, ao menos como você viu nas demonstrações, não irá chegar para nenhum celular.

O lançamento seguinte, depois desse irá de alguma forma mesclar as funções do Honeycomb em smartphones

Então os tablets podem ter Android 3.0 antes de qualquer celular conseguir Android 2.3. Estranho, mas é assim que acontece. E Android 2.4 pode estar chegando também – talvez em abril. Mas Android 2.4 está parecendo apenas outro update pequeno para a maneira que o Android funciona atualmente, e talvez apenas algum tipo de correção de compatibilidade.

No Mobile World Congress, o CEO do Google Eric Schmidt foi perguntado sobre a confusão dos nomes e números das versões de Android. Sua resposta na verdade não esclareceu tudo, mas ele deixou escapar uma coisa. Como a Engadget cita:

“Hoje eu irei usar os nomes que são mais populares. Nós temos um SO chamado Gingerbread para celulares, e nós temos um SO sendo demonstrado agora para tablets chamado Honeycomb. Você pode imaginar que o próximo vai ter um nome começando com um I, também terá o nome de uma sobremesa, e irá combinar estes dois.”

Schmidt chegou a dizer que o Android estaria se adaptando a um ciclo de seis meses entre cada lançamento. E para analisar o que ele explicou pela metade: O próximo lançamento grande, digno de nome, do Android que será anunciado, que pode ser o 4.0, irá chegar tanto para smartphones quanto para tablets, e provavelmente irá fornecer um conjunto de recursos comum para usuários e desenvolvedores anteciparem. Ele pode ser chamado de “Ice cream,” ou, como foi insinuado algumas vezes, “Ice Cream Sandwich,” possivelmente para evitar (ainda mais ) confusão com o “Froyo.”

Quando o 4.0 irá chegar? Talvez seis meses depois do Honeycomb – que ainda não foi oficialmente lançado ainda, em nenhum dispositivo, e não há anuncio oficial de uma data de lançamento.

Resumindo, Abismado, haverá um a certa reformulação do Gingerbread para smartphones, o Honeycomb uma hora chegará para os tablets, e, depois, algum tipo de sobremesa começando com “I”, para todos os dispositivos Android. Quão preocupado você deve ficar com essas mudanças? Não fique de olho do Google. Ao invés disso, considere as especificações que realmente importam, e com que frequência o fabricante lança atualizações. Apesar de tudo, nós esperamos que essa leitura tenha ajudado, pelo menos a entender a grande quantidade de informações sobre o Android que frequentemente aparecem na web.

Com amor,
Lifehacker