Não faltam lugares para publicar textos na internet: pode ser algo simples e sem formatação, como no Facebook; ou pode ser uma experiência incrível, como no Medium. Agora você tem mais um lugar para isso: o LinkedIn.

Pois é: a rede social conhecida por ser um depósito de currículos está se reinventando, e quer se tornar um fonte de conteúdo original.

Na verdade, vários “Influenciadores” já podiam publicar seus textos no LinkedIn: são pessoas importantes como Guy Kawasaki, Bill Gates e Barack Obama. Mas hoje, a ferramenta se expande aos poucos para todos os usuários.

Ao compor um post, você verá um ícone de lápis; clique nele e comece a escrever seu texto. Com a nova ferramenta, é possível criar posts maiores que o limite de 600 caracteres, e ainda inserir formatação e imagens, como se espera de um blog.

Inicialmente, cada post é compartilhado apenas com as pessoas na sua rede profissional; caso ele se torne popular, os algoritmos do LinkedIn o colocam em destaque para mais pessoas. A função está disponível inicialmente para 25.000 membros na versão em inglês; outros idiomas serão acrescentados “nas próximas semanas e meses”.

O seu blog se integra ao Pulse, app para leitura de notícias que o LinkedIn comprou no ano passado. E é mais uma investida da rede em conteúdo original: ela já possui o SlideShare, site para compartilhamento de apresentações adquirido em 2012. O LinkedIn também permite publicar atualizações de status e links numa timeline com “likes”, algo bem semelhante ao Facebook.

Claro, um blog no LinkedIn não é para todos: a empresa diz ao Recode que “os usuários vão usar o LinkedIn como um canal para expertise e reflexões profissionais”. Mas quando se trata de publicar algo na web, parece que mais opções nunca são demais. [LinkedIn Blog via New York Times e Recode]