A LulzSec, grupo de hackers que causou todo tipo de confusão nas últimas semanas, declarou oficialmente que chegou ao fim, e interrompeu as atividades nos últimos dias. Também em 25 de junho, o grupo chamado A-Team divulgou supostas informações sobre os integrantes do LulzSec. O movimento AntiSec deve seguir navegando, no entanto.

No anúncio oficial, a LulzSec diz que queria apenas 50 dias para fazer o que fez: “abalar e expor corporações, governos, e muitas vezes até a população em geral”, simplesmente para divertir os outros, só pelos “lulz”. Os seis membros, mesmo se dizendo responsáveis por tudo que a LulzSec fez, “não estão ligados a essa identidade para sempre”. Mas eles continuam apoiando o movimento AntiSec, que conseguiu chamar a atenção de muitos – inclusive a nossa – nas últimas semanas.

Com a despedida, vem um presente: dados internos e descriptografados da AOL e AT&T, assim como centenas de milhares de dados de usuários, vindos de outros lugares. Se você acha que seus dados possam ter sido expostos, visite esta página do Gizmodo americano: lá você pode digitar seu nome de usuário ou e-mail, para ver se alguma informação sua vazou na net. E não se preocupe, que o Gizmodo obviamente não vai guardar informação nenhuma sobre você.

A LulzSec desapareceu no horizonte no mesmo dia em que o grupo A-Team divulgou as supostas identidades de todos os membros da LulzSec, além de informações sobre as famílias deles, e como o grupo se formou. Como é de se esperar, os dois grupos não se gostam. Aqui o A-Team dá uma pista para entender por que a LulzSec acabou:

O problema com o mantra de “hacktivismo” da LulzSec/gnosis é que eles não têm as habilidades para continuar. Por isso, depois da Sony, eles não conseguiram invadir mais nada. Então eles mudaram o foco para divulgar porcaria aleatória que não quer dizer nada. Então eles começaram a não ter mais o que hackear. Então eles divulgaram pedidos para se juntarem a eles. Isso lhes rendeu algumas conexões, e agora eles mudaram de novo, para virar o “ANTI-SEC”…

O Guardian conta uma história semelhante, analisando as conversas públicas dos membros do grupo: “a LulzSec estava ficando sem tempo – e sem alvos”. O grupo de seis a dez pessoas acabou atraindo a ira de outros grupos por terem derrubado a EVE Online e a PlayStation Network. E, como o grupo era pequeno, eles eram alvo fácil; e não tinham como criar um plano maior, nada que os mantivesse na ativa. Adicione a mídia a isto tudo, e a pressão ficou insuportável: os membros não deixarão de crackear, mas a LulzSec precisava acabar.

O movimento AntiSec, no entanto, continua. Como no Brasil, com a @LulzSecBrazil e a @LulzSec_BR. Sim, eles ainda seguem na atividade, derrubando sites do governo e convocando os seguidores para passeatas – quem sabe para criar um propósito de longo prazo, e evitar o erro da LulzSec. As ações deles andam desajeitadas, no entanto: eles “vazaram” informações que já estavam disponíveis de forma pública na web, e parecem ser grupos rivais – a LulzSecBrazil acusa a LulzSec_BR de serem impostores, e a LulzSec_BR, que antes ameaçou o outro grupo, agora diz que ambas estão “no mesmo barco“.

A LulzSec acabou, mas o movimento hacker/cracker está de volta. [LulzSec]