Zeebo, o único console aprovado por Deus, foi lançado e não causou muita empolgação na comunidade gamer brasileira. Em entrevista ao UOL, a Tec Toy prometeu bons e divertidos jogos mesmo com aqueles gráficos.. hm.. "retrô". Mas não pra agora. 

André Penha, diretor da TecToy Digital, falou sobre os melhores jogos atuais (como Tekken), futuros lançamentos, desenvolvimento de jogos e a primeira série de jogos feito exclusivamente para o Zeebo, o "Zeebo Extreme".  Ele tem um raciocínio para justificar os gráficos toscos dos primeiros games. Mas a visão de André sobre o futuro do Zeebo seria perfeita se o Zeebo fosse o primeiro videogame da história, ou não tivesse concorrentes hoje.

"Então é claro que a experiência do consumidor daqui a um ano vai ser melhor do que a experiência do consumidor no começo, como foi como qualquer outro console da história. Eu me lembro muito bem quando eu comprei um Playstation 1, que depois de anos os jogos dele estavam muito parecidos com o do Playstation 2."

O RLY? Ele cita também que "no final" o Master System tinha até Street Fighter rodando. Tá, realmente os jogos de PS1 melhoraram com o tempo. Tempo esse de quatro anos. Street Fighter II foi lançado em 1991, e ganhou sua versão port no Master System em 1997. Opa! E foi a TecToy quem fez a adaptação também. Assim como as coisas estão seguindo no Zeebo, com títulos como Tekken e Quake, chupinhados de outra plataforma, tirando uma coisinha aqui, outra coisinha ali.

Mas não só de adaptações pretende viver o Zeebo. A Tec Toy Digital, que é a desenvolvedora de games da TecToy mãe, está desenvolvendo vários exclusivos para o console. O primeiro já saiu e se chama Zeebo Extreme Rolimã (sim, rolimã!), que é o primeiro de uma série "sports", que no vídeo mostra o carrinho sendo controlado por um controle com acelerômetro (sim, o Zeebo tem um acelerômetro) no qual ou o cara é MUITO ruim e vive batendo, ou o controle do Zeebo tem sérios problemas de resposta.

Só nos resta esperar o futuro do nosso Gurgel dos games Zeebo, que é brasileiro e não desiste nunca.

Veja a entrevista completa do UOL Jogos abaixo: