Ao contrário do que se suspeitava e chegamos a comentar por aqui, o Windows 7 terá o mesmo preço do Vista. Ele será de fato lançado até o fim do ano, provavelmente antes do previsto, para que se aproveite a maré de encantamento do novo sistema operacional. No Brasil, a Microsoft dará a possibilidade de upgrade para usuários do Vista e até do XP, mas não no lançamento, e sim no "médio ou longo prazo". Por enquanto, as vendas só se darão na "caixinha" – mas a venda por download poderá se tornar realidade em breve.

É bem verdade que o preço final poderá ter uma leve influência do dólar, mas a "precificação" de todas as versões será a mesma da atual do Vista. Serão 6 versões, em escadinha de preço e recursos: starter > home basic > home premium > Professional > Ultimate > Enterprise. O Professional será vendido apenas para empresas, e a Enterprise, como o nome sugere, apenas para membros da Frota Estelar também. Mesmo as configurações corporativas terão os recursos da doméstica. Logo, o Professional vai ter tudo do Home Premium, e o Enterprise é um Ultimate para ser vendido em empresas com frescuras que só quem gosta de servidores e Microsoft Exchange saberia aproveitar. A idéia surgiu porque, pelos estudos da Microsoft, o uso de notebooks em empresas é cada vez maior. E "Trocar uma foto ou ver um vídeo, gastando uns 2 ou 3 minutos, faz parte do trabalho também. É importante que o funcionário da empresa tenha as mesmas funcionalidades de lazer".

Essas foram algumas das revelações do simpático Ricardo Wagner, gerente de produtos windows para o consumidor da Microsoft Brasil, durante uma longa conversa exclusiva que tive com ele hoje de tarde. Estou editando a coisa toda para fazer sentido. Mas dá pra adiantar que conversamos sobre o fracasso (não na visão dele, obviamente) do Vista, Zune no Brasil, Software Livre, Netbooks e até a controvertida campanha Laptop Hunters. O cara é bem aberto. Sobre a ansiedade de lançar logo o Windows 7:

"A Microsoft tem uma proposta de Release to Manufacturing (RTM). A nossa versão final é a versão final. E é minha responsabilidade. Diferente de concorrentes, nós não deixamos os nossos produtos em Beta. Temos, por exemplo, garantia extendida do XP até 2014. No caso do Windows 7, quanto mais gente baixar, testar e dar o feedback para que possamos fazer os ajustes, mais rápido tende a ser para o lançamento final. É um ciclo virtuoso. O beta foi uma surpresa muito grande. Foi um tiro tão certo que fomos ao Rlease Candidate."

No fim de semana tem o resto. Fiquem ligados.