Este é o Motorola Milestone, a partir de hoje o mais completo (e para mim, agradável de usar) smartphone vendido no Brasil. O aparelho é um sucesso de público e crítica: ontem, ele foi eleito o gadget do ano pela Time. Desde seu lançamento dia 5 de novembro nos EUA, onde ele tem o nome bem mais legal de Droid, já vendeu quase 1 milhão de unidades. Hoje, com uma raríssima velocidade, ele começa a ser vendido na Vivo, já fabricado no Brasil. O mais fantástico: ele sai por R$ 599 no plano Vivo Você 200 + pacote de 500 MB de dados a 1 Mbps. 

Milestone. O melhor celular com Android, o único com Android 2.0, a R$ 599. Existe concorrência?

Eu mexi em todos os grandes lançamentos deste ano. E entre os smartphones, não consigo ver motivo para alguém comprar um Windows Phone, vejo pouquíssimas razões racionais para alguém comprar algum aparelho com Symbian, como o N97, ou mesmo um Blackberry. Se tiver opção, esqueça todos eles, a não ser que você consiga descontos inacreditáveis. Os ceulares com Android, como o Dext, o Galaxy e o HTC Magic estão em outro nível. O iPhone 3GS e o Motorola Milestone estariam no 3° andar. Mas o iPhone é mais caro, e mesmo os outros aparelhos com Android também não saem mais baratos. O preço do Milestone é um pequeno milagre (o Iphone 3G de 8 GB sai R$ 400 mais caro).

O plano que a Vivo vende com esse preço bastante subsidiado sai por R$ 169 mensais (nos 3 primeiros meses, depois R$ 209), em São Paulo (varia em outros lugares do Brasil). Com outros planos mais caros, pode cair ainda mais. E não, não temos o preço dele desbloqueado ainda, mas, de novo, não faz muito sentido ter um celular desses sem um plano de dados. 

Se você não gostar da Vivo, não se preocupe. Não há contrato de exclusividade e as outras operadoras devem começar a vender o aparelho nas próximas semanas. E se você não achá-lo na sua loja, é normal: ele só começa a ser vendido inicialmente no Rio e São Paulo e deve sair que nem água no início. O pessoal da Motorola me avisou que o bacaníssimo Dext está esgotado em diversas praças.

Estou com um Milestone na mão e mais tarde posto as minhas impressões sobre ele. Como eu já falei, o que importa para mim no celular é a experiência de uso, o quão gostoso é mexer no gadget e fácil e rápido acessar o que preciso. E aqui, além do sistema operacional fantástico (impressões em português sobre o Dext, ou na resenha completa do Android 2.0), o hardware não decepciona (processador rápido, câmera de 5 MP, etc). Isso sem deixá-lo tão tijoludo: ele tem a maior tela em um smartphone no Brasil (3,7”, com multitouch capacitivo) e é o mais fino aparelho com um teclado slider (13,7mm). Veja a comparação com os outros celulares da casa:

 

Logo mais falo mais sobre ele. Mas, em resumo, hoje é um dia histórico para o mercado de smartphones brasileiro. Um aparelho fantástico, lançado com pouquíssimo atraso, fabricado no Brasil, a um preço justo. Não é genial?