Falei outro dia desses aqui sobre o Dell Mini 9, o bem pequeno netbook que a Dell trouxe para o Brasil. Acabamento meio duvidoso e teclado feito para crianças eram alguns dos problemas que eu achei na máquina. Os concorrentes chegaram um pouco depois, mas com produtos melhores, e a Dell reagiu – lançando um sucessor com muitas melhorias, criativamente chamado de Dell Mini 10. Ele chega ao Brasil depois de amanhã quinta-feira.

O teclado é maior: tem 92% do tamanho de um normal, e todas as teclas. Há agora a opção de modem 3G desbloqueado, o SSD de 8 ou 16 GB foi substituído por um HD de 160 GB. O acabamento é melhor e a tela um pouco menos reflexiva, com boa resolução. Ele vem em várias cores, uma certa obsessão da Dell, apesar de eu sempre vir as pessoas com um branco ou preto. O padrão é 1 GB de RAM, mas você poderá pedir com 2GB, o que é bem bom. Ainda não confirmei se ele terá a opção de geolocalização que alguns modelos vendidos aqui nos EUA tem, logo atualizo.

Uma exclusividade é a saída HDMI, boa pra conectar o bichinho na TV de alta-definição (a resolução de saída é 720p), que na real você só vai poder usar para ver apresentações em powerpoint e vídeos em resolução baixa. Pelos meus testes com o modelo anterior, o chip Atom com a solução gráfica da Intel não aguenta vídeos com a compressão .h264 ou vídeos em HD do Youtube, coisas que seriam legais mandar para a TV. Mas enfim, é um bom recurso, sem dúvida.

Falando em Atom, o mini 10 não usa o tradicional N270, mas outro da família, de 1.6 Ghz e FSB de 533 MHz:  o Z530, que consome menos energia e é mais fresquinho, o que tira a necessidade de uma ventoinha. Por isso, o Mini 10 é mais silencioso, e deve consumir menos. (UPDATE: Ainda não é certo. Esse é o mini americano. Vamos ver qual vai para o Brasil) Ele também é um bocadinho mais pesado que alguns dos concorrentes (1,3 kg). Mais informações quando colocar as mãos nele por mais tempo, como fizeram nossos camaradas do Giz US. De qualquer forma, é um bom competidor para o HP Mini 1120 BR ou o Asus 1008HA, provavelmente os melhores da classe vendidos no Brasil agora.

O preço continua sendo alto pra um netbook (a partir de): R$ 1.699. Isso acontece porque, ao que me disse um executivo da Dell, a lei brasileira exige que pelo menos 50% dos componentes sejam fabricados aqui para ter os impostos reduzidos, e os chips asiáticos baratinhos de netbooks são, bem, asiáticos, e não brasileiros – o que infla o preço dos nets nacionais. Mais novidades sobre os planos da Dell no Brasil nos próximos dias, enquanto acompanhamos o Dell Suites Miami.

* O Gizmodo viajou a Miami a convite da Dell. E descobriu que lá só se fala espanhol.

(Já atualizo com fotos melhores.)