Este bichinho chama-se olinguito: ele foi descoberto recentemente e divulgado hoje por pesquisadores do Instituto Smithsonian. Trata-se do primeiro mamífero carnívoro descoberto nos últimos 35 anos – a espera valeu a pena, já que ele é adorável.

O olinguito está por aí há um bom tempo, mas só agora foi observado de perto. Ele já foi confundido com uma espécie similar, o olingo, mas há diferenças consideráveis entre os dois animais. Kristofer Helgen, o “curador de mamíferos” do Smithsonian, passou a última década estudando a criatura. De acordo com a AP, “ele pertence ao grupo de grandes criaturas incluindo cachorros, gatos e ursos” (ou seja, vários animais), e, de acordo com Helgen, ele é “mais ou menos o cruzamento de um urso de pelúcia com um gato doméstico.”

olinguito

Esta bola de fofura vive nas florestas montanhosas do Equador e da Colômbia. Como ele passa tardes e noites pulando entre as folhagens de árvores e não é muito grande – tem mais ou menos o tamanho de um guaxinim – é bem difícil avistá-lo. Helgen estima que existam cerca de 2.000 adoráveis olinguitos por aí.

Um olinguito já viveu por um tempo em zoológicos. Era uma fêmea, que foi mantida em cativeiro no Zoológico de Washington, nos Estados Unidos, sem que ninguém soubesse exatamente qual era aquela espécie. Depois de confundirem o olinguito com o olingo, ela foi transferida de zoológico para zoológico entre 1967 e 1976, e foi encorajada a cruzar com olingos, mas as tentativas nunca foram bem sucedidas. “No fim ela não era exigente. Só não era a espécie certa”, explicou Helgen.

Os olinguitos são diferentes dos olingos em vários aspectos. Eles são menores, com orelhas e caudas menores, rosto redondo e pele mais espessa. Ele é mais adorável que o olingo em todos os sentidos. Helgen percebeu a diferença entre os animais quando estudava peles e esqueleto das espécies em um museu. Ele levou então uma equipe para a América do Sul para observar o animal mais de perto – o resultado deste estudo é o anúncio de hoje.

Novas espécies são descobertas com frequência – alguns insetos nojentos, por exemplo. Mas não é todo dia que vemos mamíferos peludos como o olinguito – na verdade, é a primeira vez em 35 anos que vemos uma descoberta dessas. Muitas espécies vivem pelo mundo sem que sejam conhecidas pelo homem – quem sabe quantos outros animais adoráveis como o olinguito estão esperando para alegrar a nossa vida? [Gawker]

Imagens via AP