O uso de máscaras faciais em público é comum em países da Ásia e essa cultura tem se espalhado para outras regiões durante o avanço do novo coronavírus, numa tentativa de conter o contágio e transmissão da doença que já matou pelo menos uma centena de pessoas. Embora as máscaras possam passar uma sensação de proteção, o quão úteis elas são em cenários reais para conter a propagação de doenças?

A lógica por trás de usar uma máscara é simples. O vírus de Wuhan, formalmente chamado de 2019-nCoV, é um coronavírus capaz de ser transmitido entre as pessoas por meio do contato próximo.

Embora ainda não esteja claro o quão contagioso o vírus é, ou mesmo se ele pode se espalhar antes dos sintomas aparecerem, as vítimas infectadas muitas vezes começam a ter tosse e coriza, que tornam o vírus mais suscetível a se espalhar através das gotículas transportadas pelo ar.

O tipo mais comum de máscara usada em público são aquelas cirúrgicas feitas de papel. Mas profissionais de saúde podem usar respiradores mais robustos que filtram ativamente as partículas infecciosas do ar durante esses tipos de surtos. As máscaras respiratórias mais comuns são conhecidas como máscaras N95.

Estudos avaliaram eficácia das máscaras

E apesar dessa prevenção, ainda é discutível se as máscaras são realmente eficazes contra vírus como 2019-nCoV. Uma análise de 2014 realizada por pesquisadores canadenses examinou estudos de alta qualidade que testaram se as máscaras cirúrgicas ou respiratórias poderiam proteger profissionais da saúde contra o vírus da SARS, um parente próximo do novo coronavírus, ou do vírus RSV, uma fonte comum de doença respiratória. Eles chegaram a um veredito que ficou em cima do muro: três estudos concluíram que havia um efeito protetor e três não concluíram nenhum efeito.

Apesar da pesquisa inconclusiva, essa análise descobriu que os respiradores protegem mais do que as máscaras cirúrgicas simples, embora os dados disponíveis fossem limitados.

Isso não significa necessariamente que o uso de máscaras para o conter o coronavírus não tenha valor. Mesmo que ofereçam uma proteção marginal, é melhor usá-las do que ignorar a situação completamente. As máscaras cirúrgicas também podem proteger contra muitas outras doenças contagiosas, como a gripe, justificando seu uso universal em ambientes de cuidados de saúde e até mesmo em público.

Um ensaio clínico feito em 2008, por exemplo, descobriu que as famílias que usavam máscaras de papel após os seus filhos terem visitado um Pronto Socorro com uma doença semelhante à gripe tinham cerca de 80% menos probabilidade de ficarem doentes do que as famílias que não usavam máscaras, desde que as usassem com frequência e de forma correta. Outros estudos em quartos universitários e casas descobriram um efeito protetor semelhante, embora as pessoas nestes estudos também tenham sido convidadas a fazer higiene das mãos com frequência.

Máscaras podem ajudar, mas não são solução definitiva

Mas você não deve superestimar a eficácia de uma máscara cirúrgica, especialmente se você não está doente e apenas tenta evitar os germes de outras pessoas transmitidos pelo ar.

“As máscaras não são concebidas para proteger o usuário dos outros. Em vez disso, elas são projetadas para proteger os outros das gotículas do próprio usuário”, disse Robert Amler, ex-chefe da Agência de Substâncias Tóxicas e Registro de Doenças do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) e atualmente reitor da Faculdade de Medicina de Nova York, ao Gizmodo via e-mail.

O CDC recomenda que qualquer pessoa que tenha contraído o novo coronavírus ou suspeita que possa estar doente use máscaras faciais sempre que estiver em um ambiente com outra pessoa. E se o paciente não puder usar uma máscara, o CDC aconselha as outras pessoas a usarem máscaras. Os profissionais de saúde também devem usar uma máscara enquanto lidam com pessoas que possam estar doentes.

Em comparação com os respiradores, as máscaras cirúrgicas são mais porosas e mais soltas, facilitando a entrada e saída de ar em torno das bordas. “No entanto, elas evitarão que algumas gotículas voem para o seu rosto. Além disso, elas impedem que você mesmo toque no seu rosto, o que a maioria das pessoas faz mais vezes do que imagina”, disse Amler.

As máscaras N95, por sua vez, podem ser bastante inconvenientes. Elas se ajustam bem ao redor do rosto, mas são desconfortáveis de usar e respirar por muito tempo, especialmente se você já tem problemas respiratórios. Elas também não são adequadas para crianças pequenas ou pessoas com pelos faciais.

O mais importante é que utilizar uma máscara pode ser um dos gestos mais simples para manter a si e aos outros livres de doenças. Lavar as mãos com frequência e evitar o contato próximo com pessoas infectadas “são boas medidas de proteção que todos devem praticar”, disse Amler. Se você está se sentindo doente, fique em casa.

“Como as pessoas se preocupam com o novo coronavírus, devemos nos lembrar da importância da vacina da gripe“, disse Brandon Brown, epidemiologista da Universidade da Califórnia em Riverside, ao Gizmodo via e-mail. “Oito mil pessoas já morreram de gripe nos Estados Unidos [nesta temporada], então devemos prestar atenção nisso.”

Higiene das mãos e etiqueta respiratória

A ação mais eficiente para evitar o contágio de vírus é a higiene constante das mãos, que muitas vezes transportam as doenças – como apontou Robert Amler, nós tocamos os nossos próprios rostos com mais frequência do que imaginamos, a maioria das vezes nem percebemos. O Ministério da Saúde tem uma lista com oito recomendações para impedir a disseminação do vírus da gripe, que são basicamente as mesmas para o coronavírus:

  • Evitar o contato próximo com outras pessoas;
  • Cobrir o nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar;
  • Descartar o lenço em recipiente adequado para resíduos, imediatamente após o uso;
  • Lavar as mãos frequentemente, principalmente após tossir ou espirrar;
  • Evitar tocar olhos, nariz e boca;
  • Evitar tocar em superfícies como maçanetas, mesas, pias e outras;
  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, os coronavírus apresentam uma transmissão menos intensa que o vírus da gripe e, portanto, o risco de maior circulação é menor. Mesmo assim, é importante se prevenir e, de acordo com a pasta, o contágio pode ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão e contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Neste momento, existem três casos suspeitos de coronavírus no Brasil: um no Rio Grande do Sul, um no Paraná e outro em Minas Gerais.

Colaborou: Alessandro Feitosa Jr.