Os finalistas do concurso Wildlife Photographer of the Year deste ano foram anunciados. Os participantes deste ano apresentaram algumas imagens impressionantes e emocionantes. De animais que lutam por suas vidas à beleza sutil de um pássaro bebendo água de um sincelo de gelo, essas fotografias são nada menos que notáveis.

O concurso Wildlife Photographer of the Year chega ao seu 55º ano. Ele é promovido pelo Museu de História Natural de Londres. A edição deste ano incluiu cerca de 50 mil inscrições, enviadas por fotógrafos profissionais e amadores de todo o mundo.

Os vencedores gerais serão anunciados em 15 de outubro — os juízes escolherão seus favoritos julgando a “criatividade, originalidade, excelência técnica”, de acordo com um comunicado de imprensa do museu. Uma seleção de imagens altamente elogiadas foi divulgada na segunda-feira para aguçar nosso apetite.

Guaxinim enfia a cabeça em buraco de para-brisa de carro abandonado.“Lucky Break” (“Pausa de sorte”): Um guaxinim enfia a cabeça em um para-brisa quebrado de um Ford Pinto dos anos 70 em uma fazenda deserta em Saskatchewan, Canadá. Não estão visíveis na foto os cinco filhotes dela brincando no banco de trás. Imagem: Jason Bantle, Canadá

A seleção deste ano mostra a beleza da natureza, mas também sua intensa brutalidade e delicada fragilidade. Em uma imagem, um pinguim-gentoo foge para tentar salvar sua vida enquanto uma foca-leopardo ataca. Em outro, um guepardo solitário — cercado por um bando de cães selvagens — solta um rugido em desespero. E, talvez na imagem mais chocante, um hipopótamo recém-nascido é a vítima improvável de um adulto agressivo enquanto sua mãe observa sem poder fazer nada.

Outras fotografias têm um espírito mais leve. Elas mostram a natureza da melhor forma possível, incluindo um adorável guaxinim em um carro abandonado, uma curiosa baleia cinza e um pequeno peixe em busca de refúgio dentro de uma água-viva.

Em uma praia, uma tartaruga morta, com a cabeça ensanguentada, está próxiam a uma cadeira de jardim enferrujada.“Beach Waste” (“Lixo de praia”): tirada no Refúgio Nacional de Vida Selvagem Bon Secour, no Alabama, EUA, esta foto mostra uma tartaruga marinha morta ainda presa à cadeira de jardim que foi jogada no lixo e a sufocou. Imagem: Matthew Ware, EUA

E, como todas as excelentes fotografias da vida selvagem, essas imagens servem como um lembrete poderoso para cuidarmos do meio ambiente. Uma imagem comovente de uma tartaruga marinha morta, sufocada por uma cadeira de jardim, está entre as fotos mais perturbadoras apresentadas nesta coleção.

Debaixo d'água, uma baleia cinzenta se vira para duas mãos humanas que estão entrando na água.“Touching Trust” (“Tocando a confiança”): Uma jovem baleia cinzenta curiosa se aproxima de um par de mãos humanas que se estendem de um barco turístico nas águas da Baja California, no México. Imagem: Thomas P Peschak, Alemanha / África do Sul

“Nunca houve um momento mais importante para o público em todo o mundo conhecer esses trabalhos em nossa exposição inspiradora e impactante”, observou Tim Littlewood, diretor de ciências do Museu de História Natural de Londres e membro do painel de jurados, em um comunicado. “A fotografia tem uma capacidade única de despertar conversas, debates e até ações. Esperamos que a exposição deste ano permita que as pessoas pensem de maneira diferente sobre o nosso planeta e o papel crítico que desempenhamos em seu futuro.”

Um hipopótamo adulto tem um filhote em sua boca. O filhote está com a boca aberta, e gotas de sangue voam pelo ar. Ao fundo, a cabeça da mãe aparece saindo da água e observando a cena.“Last Gasp” (“Último suspiro”) Imagem: Adrian Hirschi, Suíça

A perturbadora foto acima foi tirada por Adrian Hirschi no Zimbábue. Ela mostra um hipopótamo machucando um recém-nascido, com a mãe assistindo ao fundo. Uma legenda do museu explica a cena sombria:

Ele perseguiu a mãe e, em seguida, agarrou o filhote em sua enorme boca, com a clara intenção de matá-lo. Depois de tentar afogá-lo, ele tentou esmagá-lo até a morte. O tempo todo, a mãe perturbada observava. A reação rápida e o clique certeiro de Adrian capturaram a cena chocante. O infanticídio entre os hipopótamos é raro, mas pode resultar do estresse causado pela superlotação, quando suas piscinas de descanso durante o dia secam. Um macho também pode aumentar suas chances reprodutivas matando jovens que não são seus, provocando fêmeas a entrar no estro, prontas para acasalar com ele. Os hipopótamos masculinos também são agressivamente territoriais, e brigas brutais não são incomuns.

De fato, a imagem é um lembrete para evitar hipopótamos. Esses herbívoros temíveis também são conhecidos por atacar seres humanos.

Inúmeros peixes brancos e cinzas nadam em círculo em um mar preto.“Circle of Life” (“Círculo da vida”): um cardume de patudos circula no Mar Vermelho, na costa da Península do Sinai, no Egito. Imagem: Alex Mustard, Reino Unido

Um passarinho branco com rabo e asas pretos voa e tem seu bico próximo a um sincelo ou pingente de gelo.“Cool drink” (“Bebida gelada”): Um chapim-rabilongo bebe um pouco de água de um sincelo de gelo pendurado na ilha japonesa de Hokkaido. Imagem: Diana Rebman, EUA

Três "antenas" pretas com pontas vermelhas, grandes e redondas, saem do tórax de um inseto.“The Climbing Dead” (“Os mortos que escalam”) Imagem: Frank Deschandol

Uma foto de Frank Deschandol mostra um caruncho azarado, que foi vítima de um fungo parasita de zumbi. O museu explica:

Em uma excursão noturna na floresta amazônica peruana, Frank viu esse caruncho de aparência bizarra agarrado a um caule de samambaia. Seus olhos vidrados mostraram que ele estava morto, e as três projeções semelhantes a antenas que crescem em seu tórax eram os corpos frutíferos maduros de um ‘fungo zumbi’. Espalhando dentro do caruncho enquanto estava vivo, o fungo parasita controlara seus músculos e o obrigara a subir. Quando chegou a uma altura adequada — para o fungo — o inseto se agarrou no caule. Alimentado pelo interior do animal, o fungo começou a crescer corpos frutíferos encimados por cápsulas que liberariam uma infinidade de pequenos esporos para infectar novas presas. Sabe-se que “fungos zumbis” semelhantes parasitam outros insetos.

Os esporos foram liberados no dia seguinte e o fungo secou, ​​completando o ciclo macabro.

Um peixe entra em uma água-viva.“Jelly Baby” (“Bebê água-viva”): Um peixe juvenil procura refúgio dentro de uma pequena água-viva no Taiti, Polinésia Francesa. Não se sabe se a água-viva se beneficia desse arranjo estranho. Imagem: Fabien Michenet, França

Em uma parede branca, duas peles de cobra estão presas esticadas por pregos. Impressões de mãos sujas de sangue estão na parede, e nomes de pessoas estão escritos a caneta.“The Wall of Shame” (“O muro da vergonha”) Imagem: Jo-Anne McArthur, Canadá

A fotógrafa Jo-Anne McArthur enviou uma foto mostrando peles de cascavel presas a uma parede — uma espécie de sala de troféus para os participantes do ajuntamento anual de cascavéis em Sweetwater, Texas. O museu explica:

A cada ano, dezenas de milhares de cascavéis são capturadas para esse festival de quatro dias. Na primavera, os vaqueiros usam gasolina para expulsar as cobras de suas tocas de inverno — uma prática proibida em muitos estados dos EUA. Elas são mantidos em más condições antes de serem trazidas para o festival. Elas são, depois, decapitadas como entretenimento para os frequentadores do festival, que pagam para esfolá-las. Os defensores do festival afirmam que ele é necessário para controlar as populações de cobras venenosas e garantir a segurança de pessoas, animais de estimação e gado. Mas os oponentes consideram as festas uma prática ecologicamente prejudicial, insustentável e desumana. O que Jo-Anne achou mais perturbador sobre essa imagem foi “que muitas das impressões digitais ensanguentadas pertenciam a crianças”.

Sim, não é exatamente o tipo de mensagem que devemos transmitir à nossa juventude. A natureza é verdadeiramente paradoxal em sua brutalidade e beleza, como demonstram com veemência as fotos do concurso.

Um guepardo ruge para um cachorro em um local terroso. Além deste cachorro, há pelo menos outros três na imagem -- como a fotografia foi tirada em movimento, não é possível distinguir todos os animais da cena.“Big Cat and Dog Spat” (“Discussão de gato grande e cachorro”): Um guepardo solitário afasta um bando de cães selvagens na Reserva de Caça Privada Zimanga, KwaZulu-Natal, África do Sul. O felino conseguiu fugir do local. Imagem: Peter Haygarth, Reino Unido

No meio da neblina, uma preguiça está parada no galho de uma árvore.“Canopy Hangout” (“Passeando na copa”): Uma preguiça no Parque Nacional Soberanía do Panamá. Imagem: Carlos Pérez Naval, Espanha

Uma foca preta com manchas brancas dorme sobre o gelo.“Dormindo como um Weddell:” Uma foca-de-weddell adormecida, deitada em uma camada de gelo perto de Larsen Harbor, na ilha Geórgia do Sul. Imagem: Ralf Schneider