Cultura

Meryl Streep quase ficou de fora de “O Diabo Veste Prada”; veja o por quê

Produção chegou a questionar se a atriz era suficientemente engraçada para viver Miranda Priestly. Streep foi indicada ao Oscar com o papel.
Rotten Tomatoes Classic Trailers/Reprodução

Parece impossível, mas por pouco Meryl Streep não viveu a malévola Miranda Priestly em “O Diabo Veste Prada”. Segundo disse a produtora Wendy Finerman ao podcast Hollywood Gold, uma pessoa se opôs ao nome de Meryl Streep.

Na entrevista, Wendy disse que a pessoa em questão estava na equipe do filme, e argumentou o seguinte:

“As pessoas pensaram que éramos loucos [por escalar Meryl Streep]. Quero dizer, algumas pessoas me ligaram e disseram: ‘Você está louca? Ela nunca na vida foi engraçada”.

Obviamente, a produtora não concordou com a afirmação. 

Meryl Streep já tinha feito papéis em comédia, como em “Ela é o Diabo”, de 1989, com a escritora Mary Fisher, e em “A Morte Lhe Cai Bem”, vivendo Madeline Ashton.

“Ela foi engraçada e eles estavam errados. Mas este era claramente um mundo diferente para ela”, disse.

 

A aposta em Meryl Streep deu (bem) certo. Atriz foi indicada ao Oscar de 2007 com a atuação de Miranda Priestly, a editora-chefe de uma revista de moda que faz a personagem de Anne Hathaway comer o pão que o diabo — vestido de Prada — amassou. 

Inclusive, Streep é a recordista em indicações ao Oscar, com 21 nomeações. Ela já ganhou três estatuetas, sendo duas como Melhor Atriz.

A última indicação foi em 2018, com o filme “The Post — A Guerra Secreta”.

Pedro Ezequiel

Pedro Ezequiel

Pedro Ezequiel é jornalista pela ECA - USP. Passou pela Rádio USP, Jornal da USP, UOL e DOC Films. Não dispensa café e podcast. É fã de "Moleque Atrevido" do Jorge Aragão.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas