O Pixel é a primeira tentativa do Google de fazer um smartphone sozinho. A companhia decidiu caprichar na câmera e moldar o software em torno do Assistant, uma espécie de evolução Google Now que funciona por meio da voz e de um chat.

• [Hands-on] Google Pixel é o smartphone mais esperto que eu já usei
• Google Pixel: tudo o que você precisa saber sobre os novos smartphones Android

Os primeiros reviews do smartphone começaram a sair nos Estados Unidos. Confira abaixo as opiniões de quem testou.

Design

google-pixel-hands-on-2
The Verge: “O Pixel se parece com um iPhone. Todos os modelos topo de linha hoje em dia são projetados com alguma combinação de metal e vidro, e você pode dizer que não existem muitas maneiras de fazer um retângulo. Mas ainda assim, olhe para as bordas na frente, as curvas das laterais, as linhas das antenas e a posição dos alto-falantes; as coisas são bem familiares. Depois de anos de tentativas, a Samsung conseguiu encontrar sua estética. Talvez o Google consiga isso futuramente, mas para a primeira vez, acho que eles queriam fazer algo que se parecesse com o que as pessoas já estão acostumadas. E as pessoas estão acostumadas com iPhones.”

Software

google-pixel-software
Wired: “Pouco depois que eu peguei meu Pixel XL, viajei para a Colômbia […] A viagem me deu a oportunidade de testar os limites do Google Assistant, a principal característica do aparelho. Aperte e segure o botão home ou diga “Ok Google” e pergunte qualquer coisa. Quantos dólares são 290.000 pesos colombianos? O quão quente é o deserto de Tatacoa? Onde posso encontrar um café? O assistente foi meu guia, tradutor e pesquisador. Ele sabia onde eu precisava ir, como chegar lá e quando ir embora. Ele me contou sobre Simón Bolívar e sabia dos acontecimentos recentes para explicar os protestos na praça que leva o seu nome.

O assistente ainda tem algumas das limitações que vemos na Siri e na Amazon Alexa. Ele gosta de responder a perguntas fáceis com resultados web e fala em momentos inesperados. […] Eu gostaria de poder digitar as minhas questões, em vez de falar tudo em voz alta.”

Gizmodo US: “O Google promete que o Assistant vai antecipar suas necessidades, reunindo informações do seu email, calendários e a partir do entendimento dos seus hábitos. Mas na prática, eu descobri que o Google Assistant fica abaixo do esperado. Eu o testei numa sexta-feira à noite achando que ele poderia me ajudar num encontro, mas os resultados me desapontaram. E perguntei “Qual um bom lugar para um encontro perto [do bar que eu iria]”. Ele me mostrou links para o bar, em vez de sugerir locais próximos. Quando perguntei “Qual um bom lugar para um encontro perto [do endereço]”, ele continuou falhando e me mostrar um site aleatório da pesquisa em vez em um mapa com lugares que eu poderia ir.

Fiquei particularmente desapontado com o Google Assistant porque ele é um conceito promissor. O Google está tirado a atenção da barra de pesquisa mais do que nunca. Em vez disso, a companhia está dizendo que quer que você dê um “Google” usando o app de mensagens Allo ou por meio da voz com o Google Assistant. Por fim, o Pixel e o Pixel XL são meios para alimentar o cérebro do Google com mais informações sobre você. Conforme a inteligência artificial for ficando mais inteligente, o Assistant irá se tornar mais útil. […] O ponto é que, como um todo, os assistentes de smartphones ainda não são espertos o suficiente para serem uma característica determinante. Eles ainda são um truque, e o Google decidiu fazer um celular em torno disso.”

Câmera

google-pixel-camera
Engadget: “O Google não fez nenhum rodeio durante o anúncio do Pixel – o vice-presidente Brian Rakowski disse que as câmeras dos smartphones eram as melhores já feitas. A prova? Uma análise independente do site DxOMark que mostrava os celulares nos primeiros lugares do ranking.

Embora não seja perfeita, os smartphones conseguem fazer fotos fantásticas – detalhadas e nítidas, com a maiores das cores corretas. Não é uma surpresa que a câmera se sobressai em ambientes bem iluminados e elas também são ótimas em situações com menos luz também.”

Conclusão

Praticamente todos as análises elogiam o Google Pixel. É um topo de linha de respeito, que se sai muito bem no desempenho, na câmera e inclusive no software. Ele não é o celular mais bonito do mercado, não é a prova d’água e tem um preço salgado – US$ 650 para o Pixel e US$ 750 para o Pixel XL – mas consegue bater de frente com qualquer outro aparelho, seja o Galaxy S7 ou o iPhone 7.

Para uma primeira tentativa, o Google se saiu muito bem. E a expectativa é que com o tempo, o Assistant e o design da companhia evoluam.

Fotos: Alex Cranz/Gizmodo.