Depois de tantos, mas tantos rumores, possibilidades e até teorias da conspiração, um dos movimentos mais esperados do mercado de tecnologia aconteceu: à meia noite de segunda para terça-feira, a Microsoft anunciou que está comprando a Unidade de Aparelhos e Serviços (Devices & Services) da Nokia, num movimento que envolve mais de 7 bilhões de dólares. E Stephen Elop não é mais CEO da Nokia, e sim funcionário da Microsoft.

Como a Microsoft já ensaiou com o Surface, agora a empresa terá controle total não só na parte do software, mas também na produção do hardware dos aparelhos que ela tanto almeja – num movimento muito mais próximo da Apple do que do Google. O valor pago pela compra da divisão da Nokia foi de 3,79 bilhões de euros (aproximadamente 5 bilhões de dólares), e a Microsoft ainda pagará mais 1,65 bilhões (mais de 2 bilhões de dólares) pelo extenso portfólio de patentes da Nokia.

Nessa mudança, a Microsoft diz que mais de 32 mil funcionários da empresa finlandesa mudarão de endereço e terão que atualizar suas assinaturas de e-mail e o LinkedIn – agora eles são discípulos de Redmond.

LEIA MAIS:

O que a compra da Nokia significa para a Microsoft? e…

O que a venda para a Microsoft significa para a Nokia?

Mas, e a Nokia?

Em primeiro lugar, parte do acordo entre as duas empresas envolve importantes trocas nos altos cargos: Stephen Elop sai do cargo de CEO da Nokia e agora comandará a equipe de Devices da Microsoft – ou seja, ele apenas está retornando para onde já trabalhou antes de ir para a Nokia. Além dele, mais executivos e diretores da parte de cima da cadeia, como Jo Harlow e Marko Ahtisaari, irão para a Microsoft. Mas, sobre a empresa finlandesa, o foco agora será completo em serviços e software: os mapas da Nokia, agora chamados de HERE, provavelmente terão mais espaço (a Microsoft também concordou em pagar pelo menos 4 anos de licença para o uso do HERE em seus novos aparelhos). E, na parte de infraestrutura, a NSN, braço de redes da Nokia, continuará existindo. Risto Siilasmaa será o CEO interino da empresa.

Ou seja, a Nokia que você conhece mais de perto, desde aquele celular com lanterinha e cobrinha e que vivia para sempre, mudou de casa. Da Finlândia para os EUA, ambas as empresas esperam que a venda seja uma situação de ganha-ganha para ambos: a Nokia pode parar de sangrar dinheiro por causa da dificuldade em emplacar seus novos aparelhos, e a Microsoft espera, com controle total de produção, criar smartphones revolucionários para ganhar espaço no mercado. Essa é, provavelmente, a grande aposta para seu próximo capítulo – aquele que não conta com Steve Ballmer no comando.

Estreitando a relação

Nokia e Microsoft andam de mãos dadas desde 2011, com o anúncio de Stephen Elop de que as empresas trabalhariam juntas pelo futuro do Windows Phone. A Microsoft injetou dinheiro na empresa durante alguns trimestres, mas os resultados não foram dos mais incríveis: a Nokia continuou perdendo dinheiro (a previsão para o terceiro trimestre fiscal não é nada bom, inclusive), e a empresa não conseguiu fazer uma troca significativa do Symbian com o Windows Phone – apesar de bem recebido pela crítica, o sistema ainda tem dificuldades para enfrentar o Android e seu market share gigantesco, e a Apple com seu consolidado iPhone.

Com a compra da divisão, resta saber se a Microsoft irá focar em aparelhos de todos os tipos somente com Windows Phone, ou se ela continuará investindo no mercado de dumbphones – apesar de as margens de lucro serem menores, a Nokia tem alta penetração em mercados emergentes, e a linha Asha, que não roda WP, faz um sucesso considerável pelo baixo preço. Certas respostas só teremos no início de 2014, quando a compra deve ser concluída, após passar por todas as burocracias envolvendo órgãos regulatórios e financeiros.

E isso será muito grande. Teremos mais notícias sobre o assunto nas próximas horas, sem dúvida, e continuaremos madrugando se for necessário. O que você achou do movimento? Leia, abaixo, a carta que Elop e Ballmer assinam em conjunto para anunciar a compra:

A Nokia e a Microsoft sempre sonharam grande – nós sonhamos em colocar um computador em todas as mesas e um telefone celular em todos os bolsos, e percorremos um longo caminho para realizar esses sonhos.

O dia de hoje é um momento de reinvenção.

A Nokia tem uma identidade de mais de 150 anos de herança, inovação, excelência e mudanças que começaram e vão continuar na Finlândia e no resto do mundo. De origens humildes como uma fábrica de papel, passando por produzir botas de borrachas e pneus de carros e, por fim, telefones celulares, a reinvenção está no sangue da Nokia.

A Nokia agora irá escrever o próximo capítulo, focando em facilitar a mobilidade através de suas tecnologias de redes, mapas, localização e outras tecnologias avançadas.

Para a Microsoft, trata-se de um passo ousado para o futuro, um enorme salto em nossa jornada de criar uma família de dispositivos e serviços que agradam pessoas e capacitam negócios de todos os tamanhos.

Nossa parceria ao logos dos últimos dois anos e meio, que combinou nossas forças para construir um novo ecossistema mundial de celulares, trouxe resultados incríveis: telefones que ganharam muitos prêmios e serviços surpreendentes fizeram com que os aparelhos com Windows Phone da Nokia se tornassem uma das plataformas de smartphone que mais crescem no mundo.

Com base nessa parceria de sucesso, nós anunciamos uma importante notícia para o dia de hoje: um acordo para a Microsoft comprar a divisão de dispositivos e serviços da Nokia, para fornecer mais escolhas, inovação mais rápida e dispositivos e serviços ainda mais interessantes para os nossos consumidores.

O acordo de hoje irá acelerar o ímpeto dos dispositivos e serviços da Nokia, trazendo ao mundo smartphones cada vez mais inovadores para mais pessoas, enquanto continuamos conectando o próximo bilhão de pessoas com a linha de celulares da Nokia.

Com o compromisso e os recursos da Microsoft para levar serviços e dispositivos para frente, nós podemos agora perceber o potencial do ecossistema Windows, entregando as melhores experiências para pessoas em casa, no trabalho e em qualquer lugar nesse meio termo.

Nós vamos continuar criando telefones que você irá amar, enquanto investimos no futuro – novos telefones e serviços que combinam o melhor da Microsoft e o melhor da Nokia.

A Nokia e a Microsoft estão comprometidas para o próximo capítulo.

Juntos, nós vamos redefinir os limites da tecnologia.

Steve Ballmer e Stephen Elop

[TechNet]