Os consoles desta geração têm tido as suas vidas prolongadas por novos software e hardware. John Schappert, vice-presidente de entretenimento interativo da Microsoft, disse: “Nós temos um monte de vida sobrando no Xbox 360. Acho que não chegamos nem à metade do caminho.”

Isso significa que o Xbox 360 viverá duas vezes mais do que o Xbox original, que essencialmente teve quatro anos até o Xbox 360 chegar e a Microsoft enterrá-lo sem cerimônias. Ou seja, oito anos. O console original ainda vive de outras maneiras – Schappert disse que “centenas de milhares” de pessoas ainda o usam para jogar na Xbox Live. De modo semelhante, a Live obviamente continuará a viver no que quer que venha depois do Xbox 360.

Schappert reiterou novamente: “Ainda há um monte de coisas que podemos fazer com essa peça de hardware, então continuaremos a fazer isso… Não acho que chegamos à metade da vida do Xbox 360”. “Se não fôssemos capazes de reinventar a interface, introduzir avatars, introduzir novos serviços, provavelmente estaríamos falando sobre novo hardware neste exato momento.” Quando “nós precisarmos de novo hardware para oferecer novas experiências, é aí que começaremos a falar sobre novo hardware”.

Uma coisa de que nós obviamente sentimos falta na E3, dada a ampla expansão do escopo do Xbox 360 pela Microsoft, foi a integração do Zune de “mudar o jogo”, prometida no anúncio do Zune HD. Schappert disse que “mudar o jogo” significava “referir menos a jogos e mais ao nosso lançamento de vídeo no Zune”. Sobre o áudio, por outro lado, ele não tinha o que dizer: “Não estamos anunciado nada além disso neste momento, mas obviamente vamos continuar a fazer parcerias com nossos amigos do Zune. O que você vê hoje é muito diferente do ano passado, então você vai continuar a nos ver inovar, trazer novas coisas e experiências.”

Então a integração mais profunda com o Zune deve vir. Eventualmente. Um dia. Tomara. Talvez.