A Microsoft vai começar nesta quarta-feira (15) a atualizar seu navegador Edge. A nova versão deixa de lado o motor próprio para usar o mecanismo do Chromium, o mesmo software por trás do Google Chrome e que também é usado em Opera e Vivaldi.

A mudança, que tinha sido anunciada no fim de 2018 e tinha data marcada desde novembro de 2019, deve ocorrer automaticamente para usuários de Windows 10 Home e Pro. Apenas usuários corporativos terão a opção de bloquear a mudança, segundo o que o The Next Web apurou.

O pessoal do Ars Technica usou o último beta do navegador, que estava disponível para download até esta terça-feira, e comentou que ele está parecido com o Chrome, mas mais plano no design. O novo Edge é até mesmo compatível com as extensões da Chrome Web Store — o que é ótimo, já que a loja de extensões da Microsoft é meio vazia, com poucas opções.

Não é a mesma coisa que o Chrome, porém. Como dissemos lá em maio de 2019, o Edge com Chromium troca um monte de serviços do Google, como contas e sincronização, por seus equivalentes da Microsoft.

Ele também tem alguns recursos extras, como o Collections, que a Microsoft promete que vai facilitar o trabalho de “coletar, organizar e compartilhar” conteúdo da web. Além disso, o Edge conta com um bloqueador de rastreadores adotado por padrão e um modo de visualização para sites que só podem ser visualizados no Internet Explorer, o que deve ser útil para sistemas corporativos mais antigos.

Como coloca o Ars Technica, o novo Edge deve melhorar a vida de quem nem se preocupa em instalar outro navegador em seu PC. Pouca gente faz isso hoje em dia. Segundo o StatCounter, só 2,13% dos usuários globais navegam usando o Edge — é menos que o próprio Internet Explorer, que tem 2,27% de market share, e também fica atrás de Opera, UC Browser e Samsung Internet.

O novo navegador também pode atrair usuários interessados em soluções corporativas da Microsoft, como o Azure, mas que não abrem mão das boas extensões e da rapidez do Chrome.

Se quiser fazer o download do novo Microsoft Edge, clique aqui.

[Ars Technica, The Next Web]