O HoloLens, headset de realidade mista da Microsoft, permite aos usuários ver objetos e ambientes virtuais como se existissem no mundo real. E como uma equipe de hackathon demonstrou recentemente, ele também pode ser usado para religar conexões ruins no cérebro.

No futuro, todos em uma sala poderão ser apenas hologramas com nova tecnologia da Microsoft

Uma funcionária da Microsoft que sofre de distonia mioclônica – problema no qual disparos elétricos no cérebro provocam espasmos musculares incontroláveis ​​- descobriu que poderia recuperar o controle durante um espasmo olhando para os pés do parceiro dela, em vez de seus próprios.

E é assim que ela teve uma grande ideia: usar o HoloLens para treinar o cérebro e fazê-lo agir de forma diferente. Para tanto, ela recrutou a equipe Microsoft Hackathon para testar a ideia, e eles definitivamente estão no caminho certo.

No experimento, os participantes usaram o HoloLens e foram treinados com pistas visuais e de áudio. À medida que eles observaram funções corporais normais repetidamente, e à medida que eles trabalharam para incorporar esses movimentos em seu próprio corpo, os participantes conseguiram criar novas conexões no cérebro, que ficaram mais fortes ao longo do tempo.

Um trabalho anterior do neurocientista Vilayanur S. Ramachandran mostrou que é possível treinar o cérebro enganando-o com ilusões. Usando imagens espelhadas de uma mão, ele foi capaz de aliviar os sintomas angustiantes da síndrome do membro fantasma em pessoas amputadas. O HoloLens basicamente faz a mesma coisa, fornecendo uma realidade alternativa para o cérebro.

Como mostra o trabalho de Ramachandran e outros, há uma profunda conexão entre o que vemos e como esperamos que o nosso corpo sinta e reaja nesses ambientes percebidos. Ao utilizar o HoloLens de forma repetida, o cérebro adquire e forma ligações novas; com o tempo, estes novos caminhos mentais se fortalecem.

[Microsoft News]

Foto: Microsoft/YouTube