Ciência

Morcego-hortelão-escuro é o primeiro mamífero que acasala sem penetração

Espécie se reproduz apenas encostando os órgãos genitais, ao contrário de outros morcegos ou mesmo dos mamíferos em geral
Imagem: Wikimedia Commons/ Reprodução

Tudo começou quando o pesquisador Nicolas Fasel, da Universidade de Lausanne, na Suíça, recebeu um e-mail que tinha como assunto “Pênis de Eptesicus”. Ele reconheceu o nome da espécie de morcego e abriu o vídeo anexado, que trazia cenas de dois destes mamíferos em um ato sexual.

O que realmente chamou a atenção do biólogo foi o fato de não haver penetração durante o acasalamento. Isso porque os morcegos são mamíferos e, entre estes animais, a fertilização dos ovos ocorre internamente.

Segundo especialistas, acredita-se que isso acontece porque o pênis é capaz de transferir os espermatozoides de um lugar mais perto dos óvulos, dessa forma facilitando o processo. No entanto, a espécie de morcegos parece fazer diferente – pela primeira vez entre todos os mamíferos.

Para desvendar o mistério, Fasel e seus colegas pesquisadores contaram com a ajuda do autor do e-mail: Jan Jeucken, um holandês aposentado e bastante interessado em morcegos. 

Ele fez cerca de 93 vídeos dos animais que vivem no sótão de uma igreja perto de sua casa, na Holanda. Os resultados foram publicados na revista Current Biology.

Mistério resolvido

Antes mesmo de receber o vídeo, especialistas já tinham pensado sobre o acasalamento desta espécie de morcegos, chamada de morcego-hortelão-escuro ou morcego serotino (Eptesicus serotinus). Isso porque eles possuem um pênis bastante grande, que equivale a cerca de 22% do comprimento de seu corpo, quando ereto.

Na ponta, há uma parte em formato de coração. Quando observaram essa característica do mamífero, de pronto os pesquisadores pensaram que seria difícil para que ele penetrasse em algo durante a reprodução.

Apenas com as análises dos vídeos foi possível identificar como realmente é o acasalamento da espécie. Segundo o estudo, tudo começa quando o macho morde a nuca da fêmea para segurá-la. 

A partir daí, ele passa a mover seu pênis ao redor da cauda da fêmea. Uma vez localizada, o macho fica imóvel, com o pênis firmemente pressionado contra a vulva. Isso pode durar entre 53 minutos e 12 horas.

Mesmo sem penetração, o pesquisador acredita que o sêmen é liberado de uma forma que os espermatozoides encontram os óvulos – afinal, este morcego é capaz de se reproduzir. Confirmando a liberação de sêmen, os cientistas observaram que a pelagem na barriga da fêmea ficou molhada.

Bárbara Giovani

Bárbara Giovani

Jornalista de ciência que também ama música e cinema. Já publicou na Agência Bori e participa do podcast Prato de Ciência.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas