A Motorola anunciou, no início do mês, que o Moto X – primeiro smartphone da empresa feito sob o comando do Google – chegaria ao Brasil por R$ 1.799. Ele deu as caras hoje no varejo online, e custa bem menos do que isso, mesmo se você não pagar à vista.

Das dez lojas online que o Gizmodo Brasil consultou, oito vendem o Moto X por R$ 1.499 a prazo. E dependendo da loja, você ainda obtém desconto ao pagar à vista:

  • Ponto Frio: R$ 1.319,12
  • Magazine Luiza: R$ 1.319,12
  • Americanas: R$ 1.349,10
  • Submarino: R$ 1.349,10
  • Ricardo Eletro: R$ 1.349,10
  • Shoptime: R$ 1.424,05

As outras lojas não oferecem desconto (Walmart, Saraiva) ou vendem o aparelho a um preço mais caro (Fnac, Webfones).

O preço do Moto X era um dos únicos pontos que jogavam contra ele. Afinal, ele não traz muito em especificações: processador dual-core Snapdragon S4 Pro, lançado no ano passado; e tela 720p, em vez do Full-HD comum em aparelhos top de linha deste ano. Você encontra hardware melhor por R$ 1.800.

Mas por R$ 1.300? Aí ele começa a ficar bem mais interessante. Afinal, o Moto X não está nem aí para a guerra das specs: como notamos em nosso hands-on, ele aposta em recursos inteligentes de software que a concorrência não tem.

Há um chip dedicado, que consome pouca energia, para sempre ouvir sua voz: diga “OK, Google Now” e fale seu comando em português. Peça para ligar para alguém, direções para tal lugar, tudo sem tocar o smartphone. Ele reconhece sua voz, não aceitando comandos de outra pessoa, e consegue ouvir você mesmo em locais com ruído.

Há outro chip dedicado para computação contextual. Ele sabe, por exemplo, quando você tira o smartphone do bolso: assim, ele mostra as horas sem você ligar a tela. Ele também sabe quando você está em um carro, e ativa o modo carro.

E a Motogoogle ainda criou um ótimo avanço para as notificações: com o Active Display, surge um ícone de mensagens não-lidas ou ligações perdidas direto na tela de bloqueio. Ao tocar a tela, você visualiza uma prévia da notificação mais importante. Como isto acende poucos pixels – trata-se de uma tela AMOLED – o recurso gasta pouca energia.

O Moto X foi bastante elogiado em reviews: o aparelho se encaixa bem na mão, sua tela de 4,7 polegadas é bem bacana (não precisava ser Full-HD) e seu desempenho é ótimo, sem lags nem nada. As críticas se concentram na câmera de 10 megapixels, que é inconsistente na qualidade das fotos – às vezes saem boas, às vezes saem péssimas, mesmo em condições semelhantes. Uma atualização de software deve resolver isso em breve.

No Brasil, o Moto X está disponível apenas no modelo de 16 GB (não-expansível). Será possível adquiri-lo nas cores preta e branca. A Motorola diz que o Moto Maker – que permite comprar o aparelho em outras cores – pode ser lançado por aqui, mas não este ano.

Em breve teremos um review do Moto X. Fique ligado!