Lembra do Secret? Vai acabar. O app, que permite posts anônimos –e foi banido do Brasil desde agosto do ano passado– anunciou ontem o encerramento das suas atividades.

Em um post no Medium da empresa, David Byttow, co-fundador e CEO, diz ter tomado “a decisão mais difícil de sua vida, que o entristece profundamente” de fechar o aplicativo e devolver o dinheiro aos investidores — o app levantou cerca de US$ 35 milhões, segundo o The Verge. Byttow se diz orgulhoso da equipe que construiu o produto e, em suas palavras, superou os limites da mídia social tradicional, mas também revela uma decepção: “o Secret não representa a visão que tive quando começamos a empresa”.



De fato, o que começou como um espaço para revelar seus segredos anonimamente acabou virando um lugar para falar dos segredos dos outros: o Secret virou uma rede de fofocas, calúnias e difamação, com consequências no mínimo desagradáveis para celebridades, executivos e pessoas comuns. Em agosto de 2014, o app foi removido das lojas de aplicativos brasileiras por determinação da Justiça, pouco depois de chegar ao país.

A lentidão do próprio Secret para combater o “cyberbullying” levou o aplicativo a perder público e usuários. O TechCrunch diz que o número de funcionários, nos últimos meses, caiu de mais de 20 para menos de 10, entrando em “modo de manutenção”. Nem a tentativa de relançá-lo em dezembro como um mensageiro anônimo conseguiu reverter esta tendência, que culminou no fim do aplicativo. [Secret via The Verge e TechCrunch]