Este buraco negro recém descoberto é… Gigantesco.

O quão grande? Entre os buracos negros que os cientistas conseguiram inferir a massa diretamente com base no movimento das estrelas de suas galáxias hospedeiras, esse é o maior. Ele tem 40 bilhões de vezes a massa do Sol – isso é cerca de 2,5% de toda a massa da Via Láctea.

São 40.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 clipes de papel, se assim for mais fácil para sua mente entender.

Mas seria esse o maior buraco negro possível de se existir?

“Na verdade, não sabemos o quão grande os buracos negros podem ser”, disse Jens Thomas, um dos autores do estudo do Instituto Max Planck para Física Extraterrestre, ao Gizmodo.

O buraco negro está no centro da Holm 15A, a galáxia mais brilhante em um aglomerado de centenas de galáxias chamado Abell 85, a 700 milhões de anos-luz de distância.

É uma galáxia brilhante com uma região central fraca – o centro mais fraco de qualquer galáxia conhecida, evidência de que pode haver um grande buraco negro presente. Os pesquisadores estudaram essa galáxia usando o Telescópio Fraunhofer no Observatório Wendelstein na Alemanha, bem como o instrumento explorador espectroscópico de múltiplas unidades (MUSE) do Very Large Telescope, no Chile.

Observando os movimentos das estrelas, os cientistas podem relacionar a velocidade estelar com a massa do objeto que as estrelas estão orbitando – revelando o buraco negro de 40 bilhões massas solares em seu centro.

Ë a maior massa de buraco negro calculada usando esse método até agora, de acordo com o artigo publicado no The Astrophysical Journal. É uma massa duas vezes maior que os últimos recordistas e 10 mil vezes maior que o buraco negro no centro da Via Láctea. É também quatro a nove vezes maior do que o esperado, dada a quantidade de estrelas na galáxia, de acordo com o jornal.

Como se forma um gigante desses? Bem, não há nenhuma regra sobre qual pode ser o tamanho máximo de um buraco negro, e as simulações dos pesquisadores pareciam mostrar que se duas grandes galáxias e seus grandes buracos negros se fundissem em um aglomerado como Abell 85, poderia surgir um buraco negro como o de Holm 15A.

De fato, duas dessas galáxias próximas com buracos negros com metade da massa de Holm 15A existem dentro de um aglomerado de galáxias, chamado aglomerado de Coma. A fraqueza do centro dessa galáxia poderia acontecido devido a uma fusão, que poderia ter lançado estrelas para fora da área.

Talvez, diz Thomas, o brilho do centro de uma galáxia comparado com sua massa será útil como uma medida indireta para o tamanho de seu buraco negro supermassivo. E talvez o movimento das estrelas centrais da galáxia possa conter informações sobre a história das fusões de uma galáxia, oferecendo algo como uma árvore genealógica.

A descoberta de buracos negros ultra-pesados ainda é limitada pelas capacidades de observação atuais, já que os cientistas devem ser capazes de determinar o movimento de objetos nas galáxias hospedeiras. Os maiores buracos negros provavelmente residem além do âmbito dos telescópios atuais. Talvez uma futura versão do Telescópio Event Horizon produza uma imagem real deste gigante.