Enquanto uma onda de calor recorde queima o noroeste do Pacífico, ao sul, no Golfo do México, o oceano literalmente pegou fogo na sexta-feira. Apenas mais um dia totalmente normal neste ‘fim dos tempos’.

Chamas apareceram no meio do mar perto do campo de petróleo Ku Maloob Zaap, uma plataforma offshore, fora da costa, operada pela empresa estatal de petróleo Pemex, depois que um oleoduto subaquático foi rompido na manhã de sexta-feira (02). Um vazamento de gás provocou um incêndio a cerca de 150 metros da plataforma às 5h15, horário local, de acordo com um comunicado da empresa. O incêndio levou mais de cinco horas para ser apagado e foi totalmente extinto às 10h30, sem ferimentos ou grandes impactos na produção relatados, disseram fontes à Reuters.

Vídeos do incidente se tornaram virais online, mostrando o que parece ser um redemoinho de chamas derretido saindo da plataforma de petróleo da Pemex.

Foto: reprodução das redes sociais

Ku Maloob Zaap, localizada em Campeche Sound, logo acima da borda sul do Golfo do México, é uma das instalações mais produtivas da Pemex, respondendo por mais de 40% de sua produção diária de 1,68 milhão de barris de petróleo bruto. Quando o incêndio começou, a plataforma estava produzindo 726 mil barris por dia de petróleo bruto, de acordo com um relatório de incidentes compartilhado com a Reuters.

“As turbomáquinas das instalações de produção ativas de Ku Maloob Zaap foram afetadas por uma tempestade elétrica e fortes chuvas”, disse o documento via Reuters, acrescentando que os trabalhadores usaram nitrogênio para controlar o incêndio.

Em seu comunicado na sexta-feira, a Pemex disse que investigará a causa do incêndio e fechou as válvulas do duto de aproximadamente 30 centímetros. Este incidente é apenas o mais recente em uma longa história de problemas graves nas instalações da empresa. Entre 2010 e 2017, cerca de 100 pessoas morreram em decorrência de incêndios ou explosões atribuíveis à Pemex, segundo o Statista.

Assine a newsletter do Gizmodo

E embora nenhum lucro possa justificar essa perda humana e ambiental, é ainda mais bizarro saber que a Pemex está na verdade perdendo dinheiro neste projeto. Como observa a Bloomberg, a produção tem caído na Ku Maloob Zapp todos os anos há uma década e meia, principalmente porque seu dono endividado não tem os recursos necessários para investir em novas tecnologias de extração (a Pemex está atualmente com cerca de 113 bilhões de dólares em dívidas, a maior de todas as grandes petrolíferas do mundo).