A NASA confirmou uma descoberta que é tão surpreendente quanto contraditória. O inferno quente conhecido como Mercúrio – o planeta mais próximo do Sol – tem água. Água congelada. Três novas pesquisas, baseadas em dados conseguidos pela sonda Messenger, mostram evidências inegáveis.

Não é apenas um pouco de água, mas uma grande quantidade: suficiente para cobrir a cidade de Washington, capital dos Estados Unidos, em gelo. E não é só isso: tem materiais orgânicos também! Pesquisadores da NASA acreditam que Mercúrio recebeu este material da mesma forma que a Terra, milhões de anos atrás. E o material, eles dizem, foi o início da formação de vida.

Os resultados, obtidos com três instrumentos diferentes, foram apresentados durante uma conferência para a imprensa na sede da NASA em Washington. Eles confirmam hipóteses e observações anteriores, mas ainda assim são surpreendentes. Mercúrio é o planeta mais próximo ao Sol e não tem atmosfera. Isso significa que ele fica extremamente quente e frio: a superfície do planeta tem temperaturas que variam de 50 K (-220ºC) até 700 K (420ºC).

Mas graças à relação próxima com a estrela principal do nosso sistema, algumas áreas de Mercúrio estão sempre em sombras. É aí que o gelo fica, protegido da radiação solar pela sombra e depósitos orgânicos que isolam a água do sol.

E ainda mais empolgante: os cientistas da NASA dizem que esta “mistura complexa de material orgânico” é parecida com o material que teria gerado a vida na Terra. E como no caso da Terra, cientistas especulam que ele provavelmente chegou a Mercúrio através de cometas que colidiram com a superfície do planeta.

A parte amarela dentro das crateras indicam a presença de água congelada:

Os cientistas obtiveram os dados usando três métodos: espectrometria de nêutrons, reflexão infravermelha e modelos térmicos obtidos pela Messenger. Os resultados são indiscutíveis: segundo o diretor do projeto, “não pode ser outro composto”. Todos os dados confirmam isso.