Uma equipe internacional de pesquisadores encontrou o que parece ser um exoplaneta (planeta muito distante da Terra) quase inteiramente feito de ferro. O GJ 367b, como foi chamado, está a 31 anos-luz de distância, e pode ajudar os cientistas a compreender a formação de planetas como Mercúrio. A descoberta foi publicada na revista Science.

O GJ 367b é um planeta menor e com massa inferior à da Terra. Ele orbita uma estrela anã vermelha, e leva apenas oito horas terrestres para completar cada volta ao redor do astro. Ou seja, no tal planetinha, um ano dura apenas 8 horas.

A partir da análise da massa e diâmetro do planeta, os cientistas puderam calcular sua densidade, concluindo que o corpo era formado, principalmente, por ferro. 

Além disso, as temperaturas por lá são extremamente altas, girando em torno dos 1.500 ºC. Assim, é bem provável que o planeta esteja completamente coberto por lava. Ele está tão próximo de sua estrela que, se fosse possível andar por sua superfície e olhar direto para o céu, veríamos a anã vermelha 30 vezes maior do que vemos o Sol a partir da Terra.

Mais de cinco mil exoplanetas já foram detectados no universo, mas pouco mais de uma dúzia deles têm período de translação inferior a um dia terrestre. Os cientistas acreditam que o GJ 367b não se formou no ambiente em que está agora, pois parece um local quente demais para que um material sólido se aglomere.

Ao mesmo tempo, suas características são muito semelhantes às do planeta Mercúrio, também formado quase que inteiramente por ferro, o que pode ajudar os cientistas a compreender a formação de corpos como eles. Há uma teoria que, no começo de sua vida, Mercúrio sofreu uma colisão intensa, que acabou tirando toda a sua camada externa. Dessa forma, teria restado apenas seu núcleo de ferro. 

Essa história fica menos provável com a descoberta de planetas como o CJ 367b. Os cientistas esperam obter mais informações sobre ele com o lançamento do Telescópio Espacial James Webb, agendado para decolar em 22 de dezembro.