Quando eu testei o Claro Vídeo, anunciado ontem na Futurecom 2012, uma coisa ficou bem clara: este concorrente do Netflix é bem semelhante ao Netflix – mas preenche algumas lacunas deste serviço que já conhecemos.

O Claro Vídeo é um serviço de streaming de filmes e séries. Ele estará disponível em dois pacotes: básico e premium. Assinando um deles, você também poderá alugar filmes via pay-per-view, pagando mais uma taxa por filme.

A Claro ainda não revela preços, mas diz que o serviço será competitivo com o Netflix nos pacotes básico/premium, e com serviços pay-per-view na seção de filmes avulsos. Quem não for cliente da Claro pode assinar o serviço, e pagar com cartão de crédito. Quem for cliente pode pagar na própria fatura mensal. O serviço será lançado para todos – mesmo quem não é da Claro – no primeiro trimestre de 2013, mas pudemos dar uma olhada antes.

Há várias semelhanças com o Netflix, especialmente na interface: passe o mouse em cima de um filme, e ele mostra a descrição de forma praticamente idêntica ao Netflix. O serviço também permite a você definir suas preferências, para que ele recomende os filmes certos para você – e a interface, de novo, me deu um déjà-vu.

Em outros aspectos, no entanto, ele parece preencher algumas lacunas do Netflix brasileiro. Por algum motivo, aqui não temos a Netflix Queue, lista de filmes que queremos ver depois. O Claro Vídeo tem: é o “Meus Vídeos Por Ver” na imagem acima. Você também pode organizar filmes pelos mais assistidos, ou pelos títulos com melhor avaliação.

E você pode escolher a qualidade do vídeo enquanto assiste: há opções de 300Kbps a 2,1Mbps. Ou você pode deixar no automático, e o streaming adaptativo se adequa à velocidade da conexão. A Claro recomenda uma conexão de pelo menos 5Mbps.

E o catálogo? A Claro ainda não fala em número de títulos, mas explica que firmou acordo com os estúdios Disney: isso inclui filmes como Pearl Harbor e séries como Lost, além é claro de títulos infantis e de animação. Também há filmes de outros estúdios, como Titanic e Rocky.

Além dos filmes, a Claro ainda promete shows, desenhos, documentários, programas esportivos e séries. Mas o catálogo no vídeo e nas fotos ainda não é final, então só poderemos julgá-lo quando o Claro Vídeo for lançado.

Quem assinar o pacote básico terá acesso apenas a títulos mais antigos. O pacote premium, por sua vez, dá direito a todos os filmes – exceto o pay-per-view, que exige pagamento extra por filme. No pay-per-view ficarão filmes mais recentes, além de determinados filmes antigos – no teste, Titanic era um deles.

Você pode acessar o Claro Vídeo no computador (usando Silverlight) e também em tablets e smartphones. Segundo a Claro, já existe app para iOS, e há uma versão para Android em desenvolvimento.

Testamos o Claro Vídeo no iPad. Ele tem interface bem semelhante ao Netfix, mas demora um pouco para carregar, porque precisa baixar todas as imagens antes. Espero que consertem isto na versão final. No mais, ele é um app básico para reproduzir filmes e séries, e fez isso bem. Nele, você também pode escolher a largura de banda para o vídeo.

O Claro Vídeo estará disponível até o final do ano para clientes Claro selecionados, e será aberto a todos – inclusive para quem não é cliente – no primeiro trimestre de 2013.