A Nike demitiu a maior parte da equipe responsável pela pulseira FuelBand, que monitora os exercícios físicos, segundo o CNET. O site também diz que a empresa está abandonando o desenvolvimento de hardware de gadgets vestíveis. Uma fonte anônima afirmou que cerca de 55 funcionários foram dispensados da equipe Nike Digital Sport, que abrange o design industrial e a engenharia para wearables.

Esses rumores já estavam vindo à tona desde a semana passada, mas o CNET cita emails de Brian Strong, porta-voz da Nike, que comentou que a empresa iria fazer mudanças na equipe e que haveria um pequeno número de demissões. Uma outra fonte anônima disse que cerca de 80% do time que trabalha com wearables foi cortada e os funcionários restantes foram redistribuídos em outras divisões.



Como Leslie Horn descreveu num review em novembro passado, os wearables da Nike não estavam indo muito bem: tanto a primeira quanto a segunda geração da FuelBand deixavam bastante a desejar. Quando a competição entre gadgets monitoradores de exercícios esquentou no ano passado, a Nike teve que lutar para se manter na competição. E com o Google e a Apple entrando no páreo, parece que a Nike tomou o caminho mais seguro: sair do mercado de hardware.

Mas mesmo que a Nike deixe de fabricar hardware, não significa que a empresa vá ficar fora do jogo: ela continuará desenvolvendo software para dispositivos vestíveis. Isso pode significar que quando a Apple apresentar seu smartwatch ainda esse ano, talvez a Nike venha ser um parceiro, como um analista disse a Nick Statt do CNET:

A Apple está no mercado de hardware. A Nike está no mercado dos tênis. Eu não acho que a Apple veja a Nike como um adversário. É mais como se a criação de hardware da Apple fosse servir como apoio ao software da Nike.

Será que vamos ver um smartwatch da Apple rodando o software da Nike? É cedo demais para afirmar qualquer coisa, mas vale lembrar que Tim Cook estava usando sua FuelBand quando apresentou o iPad Mini em 2012. [CNET]