A Nvidia fez o chip Tegra K1 para dispositivos móveis, mas também trabalha duro na divisão de desktops: diga olá para a nova arquitetura Maxwell e para a placa de vídeo GTX 750 Ti.

O Maxwell utiliza o mesmo processo de 28nm que a arquitetura Kepler de antes. No entanto, os núcleos da placa de vídeo estão divididos em sub-blocos, e cada um possui um controlador próprio.

Por isso, uma placa Maxwell consegue aproveitar a potência de seus núcleos CUDA melhor do que qualquer antecessora, enquanto consume menos energia.

nvidia maxwell kepler

É o caso da nova GeForce GTX 750 Ti: ela só precisa de 60 watts, então pode funcionar bem com uma fonte comum de 300W, sem necessidade de um conector de alimentação interno. No entanto, a Nvidia promete o dobro de desempenho (medido em fps) em relação à GTX 550 Ti. E com 14,5 cm, ela também é pequena.

Se você quiser um modelo mais simples, temos também a nova GTX 750. Você perde alguns núcleos e chega a um máximo de 1GB de memória GDDR5, mas ela só requer 55W e custa mais barato.

maxwell18-1

A Nvidia diz que ela se encaixa perfeitamente entre a GTX 650 e GTX 660, o que não faz muito sentido à primeira vista. Mas fazer o quê: a nomenclatura de placas de vídeo é bem confusa.

As duas novas placas têm suporte à tecnologia G-Sync, que deixa os jogos mais fluidos fazendo um jogo a 40 fps parecer rodar a 60 fps. No entanto, nenhuma delas tem suporte a SLI, que faz duas placas de vídeo agirem como uma só.

No Brasil, os modelos GTX 750 custam a partir de R$ 599, enquanto os modelos GTX 750 Ti custam a partir de R$ 669. [Nvidia via Engadget]

Especificações:

maxwell10-1 maxwell17-1