Seus olhos não estão te traindo: as asas deste avião são realmente oblíquas, viradas 60 graus em relação à fuselagem. O nome dele é AD-1 e ele é disparado o avião mais bizarro criado pela NASA. Mas por que eles o construíram desse jeito?

O Avião De Pesquisa de Asas Olíquas AD-1 foi desenhado e criado pelo Centro de Pesquisa Dryden Flight, da NASA – localizado em Edwards, na Califórnia, no Deserto de Mojave – nos anos 70. Os engenheiros ficaram curiosos com as características aerodinâmicas da aeronave, além das leis de controle necessárias para comandá-lo. O objetivo do experimento? Maior economia de combustível: os túneis de vento nos centros de pesquisa da NASA revelaram que uma asa com design oblíquo usaria metade do combustível em velocidades supersônicas, graças a sua aerodinâmica.

O AD-1 surgiu inicialmente na forma de um avião de menor escala controlado remotamente, desenvolvido no meio dos anos 70. A versão com tripulação – pilotada pelo pesquisador Thomas C. McMurtry, da NASA – levantou voo pela primeira vez em 21 de dezembro de 1979. E funcionou. O avião decolou numa configuração normal, voando sem problemas em baixas velocidades. Com o aumento da velocidade, as asas se moveriam até atingir seu melhor ângulo.

O avião completou todas as tarefas técnicas, mas era difícil controlá-lo em ângulos abaixo de 45 graus, em parte por conta dos materiais usados em sua construção. Infelizmente, após 7 de agosto de 1982, o último voo do AD-1, as pesquisas foram encerradas.