Em meio a filas em eventos de lançamento por todo o Brasil, o iPhone 5 chegou entre nós. E chegou caro, quase tanto quanto no ano passado – a partir de R$2.399 no pré-pago. Os preços altíssimos levantaram a pergunta: quanto custa manter um aparelho desses durante um ano, com plano de voz e dados? E como isso se compara aos Androids high-end no mercado? Fizemos as contas para descobrir.

Comprar smartphones caros sem um bom plano de dados faz pouco sentido, a menos que você esteja constantemente no Wi-Fi – o que não é a realidade de muitos.



Então escolhemos três planos pós-pagos – um básico, um intermediário e um mais completo -, todos com pacote de dados, para calcular o Custo Total de Posse do iPhone 5 no Brasil.

O Custo Total de Posse (CTP) é o valor que você gasta não apenas para comprar o aparelho, mas para mantê-lo: todos os pacotes de voz, dados, torpedos, DDD e o que mais for necessário para aproveitá-lo de verdade. Escolhemos o período de 12 meses pois é o que as operadoras exigem como prazo mínimo para rescindir o contrato do pós-pago.

Os preços a seguir valem para São Paulo. No caso da Claro, estes são os preços válidos para portabilidade, aparentemente a única forma pela qual a operadora oferece o iPhone 5.

Plano básico

Vamos começar pelos planos básicos:

Estes são planos que oferecem 50 a 60 minutos para outras operadoras – geralmente o mínimo que você pode adquirir no pós – e pacotes de dados mais modestos, de 200MB a 500MB. Nenhum deles oferece torpedos ilimitados nem outras firulas.

O preço dos planos varia pouco, girando em torno de R$80. O valor do iPhone 5 também varia pouco. Por isso, em um ano, você gasta basicamente o mesmo valor nas quatro operadoras: cerca de R$3.300.

O valor mais alto fica por conta da Vivo, e por um motivo claro: ela cobra mais caro pelo iPhone 5 do que a concorrência, seja qual for o plano. Às vezes o plano pós é mais barato que na concorrência, e compensa isso – não é o caso aqui.

Plano intermediário

Nos planos intermediários, temos os seguintes valores:

Os planos oferecem cerca de 200 minutos para outras operadoras, além de torpedos ilimitados, mais pacotes de dados com pelo menos 1GB. (A TIM só oferece o Liberty Web Smart com 300 MB, no entanto.)

Aqui começamos a ver algumas diferenças: a TIM não dá desconto no aparelho, mas oferece o plano mais barato (com franquia menor de internet, mas mesmo assim). Só que, no caso do iPhone 5, isso significa que você vai pagar muito caro em relação às outras operadoras. Na TIM, o custo total de posse é de R$4.300. Na Vivo e Oi, ele gira em torno de R$4.000.

Plano completo

E num plano mais completo, como fica o custo? Assim:

Aqui aumentamos as exigências: pelo menos 400 minutos para outras operadoras; torpedos, DDD e roaming ilimitados; e plano de dados com pelo menos 2 GB de franquia.

Algumas operadoras não oferecem todos esses itens: na TIM, há apenas o Liberty Web Smart de 300MB; na Claro, não encontramos um pacote de roaming nacional; na Oi, o pacote de roaming custa muito caro (R$49/mês) e não é ilimitado. (O pacote da Oi para DDD inclui roaming; corrigimos os valores. Valeu, Lucas!) As operadoras cobram, no total, cerca de R$5.200 durante doze meses.

Contra a concorrência

Ou seja, dependendo do plano, você vai gastar de R$3.000 a R$5.000 para manter um iPhone 5 16GB no Brasil. Mas como isso se compara à concorrência? Pesquisamos os preços do Samsung Galaxy S III e Motorola Razr HD nas quatro operadoras, além do LG Optimus 4X HD (disponível só na Vivo).

Assim como todo aparelho, eles recebem descontos à medida que você adquire planos mais caros. Isso varia entre cada operadora, mas calculamos a média entre elas e calculamos quanto você economizaria ao comprar um concorrente do iPhone 5:

Como você pode ver, é possível economizar de R$300 a R$900 em um ano comprando um Android high-end. O valor médio da economia gira mesmo em torno de R$600, já que as diferenças de preço são bem distribuídas.

Já considerando planos de voz/dados e descontos de operadora, o iPhone 5 vale R$600 a mais? Isso coloca um parâmetro mais objetivo no que dissemos antes em nosso review do iPhone 5:

Se alguém me perguntar se vale a pena comprar um iPhone 5 hoje, eu não titubearia em responder que sim. Mas, acompanhando a evolução dos concorrentes, principalmente nos últimos passos no Android, fica claro que a Apple precisa parear as vitórias de hardware com novos saltos de software.

A experiência de uso do iPhone 5, junto ao ecossistema notável e melhor design – tudo isso vale R$600 a mais? Mesmo considerando as deficiências do iOS 6 e certos problemas (como a tinta que descasca)? É o que muitos terão que decidir.

Vale lembrar que estes números servem apenas como guia: é possível ganhar desconto em programa de fidelidade, através de portabilidade, ou até ameaçando sair da operadora. Além disso, é preciso levar em consideração a qualidade do sinal onde você vai usar seu aparelho, e em qual operadora seus amigos/colegas/parentes estão.

Faça você mesmo

Você quer calcular o custo total de posse de um novo aparelho? Colocaremos aqui em breve o link para a planilha que usamos.

No pós, basta inserir os preços do plano e seus pacotes adicionais (torpedos, DDD, roaming) e colocar o valor do aparelho. Ele pode receber desconto da operadora, ou vir de outro país a um preço bem menor – e já ensinamos como comprar o iPhone 5 no exterior.

Se você usa o celular no pré-pago, a diferença estará apenas em quanto você gasta com créditos (SMS por dia, internet, ligações etc.) – então é algo mais simples de calcular. Para quem está quase sempre no Wi-Fi (como eu!), um plano de dados talvez seja desnecessário com opções baratas de internet pré. Como sempre, tudo depende do seu uso.

Colaboração de Daniel Junqueira e Giovanni Santa Rosa; tabelas por Marina Val

Atualizado em 15/12