Em 1995, o telescópio Hubble capturou uma imagem de tirar o fôlego: estrelas formando o que hoje é conhecido como “Pilares da Criação”. Agora, 20 anos depois, a NASA liberou algumas novas imagens da mesma formação tiradas por um novo e melhorado Hubble no ano passado. É sensacional.

A imagem nova (acima, é a da esquerda) é maior e tem uma resolução mais alta que a original. A comparação lado a lado mostra o tanto a mais de área o Hubble melhorado consegue capturar:

foto nova hubble 01

Por mais excepcional que essa icônica imagem seja, fotos dos Pilares da Criação não mostram necessariamente um evento incomum. As três colunas da Nebulosa Águia (também conhecida como M16) são, na realidade, redemoinhos de gás hidrogênio e poeira em processo de resfriamento gradual. Parece meio violento.

“Esses pilares representam um processo muito dinâmico e ativo,” diz Scowen. “Os pilares gasosos estão na verdade sendo ionizados, um processo pelo qual os elétrons são arrancados dos átomos e aquecidos pela radiação de estrelas massivas. Depois, eles são corroídos pelos ventos fortes e barragens cheias de partículas das estrelas, que literalmente são projetadas para o topo dessas colunas.”

Esse processo acontece o tempo todo, no universo inteiro. E é provavelmente tão bonito (talvez até mais bonito) do que este ocorrendo na Nebulosa Águia. É difícil imaginar alguma coisa mais bela do que essa nova imagem infravermelha dos Pilares da Criação que a NASA liberou. Ela mostra todas as estrelas nascendo dentro das colunas de gás:

foto nova hubble 02

E também é bem maluca. Mais do que a imagem com o espectro de luz visível? Você decide.

foto nova hubble 03

[NASA]

Todas as imagens via NASA / ESA / Hubble / Hubble Heritage Team