Dica: envolve a Coreia do Sul, agricultura, televisão e a geopolítica do amor.

O que você vê acima é o lar do senhor Lee Si-kap, um fazendeiro no interior da Coreia do Sul, que dizem ter mais antenas parabólicas funcionando que qualquer outro na Coreia do Sul: 85, que trazem ao Sr. Si-kap mais de 1500 canais. Antenas de TV por satélite são comuns em muitos países do mundo, e levam canais de TV internacionais para boa parte dos países pobres. Mas a Coreia do Sul não é tão pobre assim: então que história é essa?

Aparentemente, antenas parabólicas estão voltando à moda no país devido a um recente influxo de jovens mulheres do Vietnã, da China e das Filipinas. É assim: há uma tendência de mulheres sul-coreanas nascidas no interior de se mudarem para cidades grandes, deixando vilarejos sem mulheres jovens — logo, os fazendeiros, que não querem sair da zona rural, não têm com quem casar. Aí entram as imigrantes, que querem assistir TV do país delas.

Lee Si-kap, além de ter um número absurdo de antenas, está liderando uma campanha para arranjar para as imigrantes o equipamento de que precisam para se manterem conectadas a seus países via televisão, e se tornou algo como uma celebridade nacional por causa disso. Se a situação não fosse meio estranha, esta seria uma bela história. Ah, que se dane: esta é uma bela história. [New York Times]