Idealmente, você jamais estará em uma situação como essa, mas vamos supor que uma granada foi arremessada em sua direção — o que fazer? Dan Rosenthal, veterano da infantaria americana, nos ensina. Dica: a não ser que você seja o Capitão América, não a jogue de volta.

Se você está em um local onde granadas são lançadas de um lado para o outro, você provavelmente faz parte do exército. Caso contrário, bem, os mesmos conselhos são válidos.



Os fragmentos de uma granada geralmente se espalham por 10 metros e ela leva de 3 a 5 segundos para explodir. É meio óbvio que correr não é a melhor opção. Se você puder se proteger atrás de uma parede ou muro, por exemplo, faça isso. Se não, se jogue no chão e fique abaixado, já que a maioria dos fragmentos serão lançados para o alto. Não há muito o que se fazer além disso.

Mas, mesmo depois dessas orientações, ainda existem perguntas.

Que parte do corpo deve ficar virada para a granada? A cabeça, os pés, ou fico de lado?

Considerando as proteções de um soldado no campo de batalha, a cabeça. O capacete de Kevlar é especialmente projetado para parar estilhaços, mas o colete geralmente só te protegerá em três pontos — no alto do peito, nas costas e acima dos ombros, com as ombreiras que hoje são utilizadas pela maior parte das tropas.

Ao ficar fora da seção de choque dos estilhaços, você minimiza a possibilidade de os fragmentos te atingirem, e ao expor as suas partes mais protegidas para a granada, você se protege dos destroços que vão te atingir. Virar os pés para a granada é uma má ideia — eles não estão significantemente protegidos, e deixá-los expostos é uma ótima maneira de ter sua a artéria femoral atingida.

Ferimentos nas pernas e no intestino são muito dolorosos e incrivelmente perigosos no campo de batalha. Ferimentos nas laterais do corpo são ainda piores; o colete à prova de balas não protege a região embaixo dos braços e maximizam a área do corpo que pode ser atingida pela granada.

cjyd97ufnszxlydh5hnt

Pegar a granada e jogá-la de volta? De jeito nenhum

Não dá tempo. Digamos que arremessem contra você uma granada que explode em quatro segundos. Dois destes serão gastos no trajeto, em voo. São apenas dois segundos restantes para você ver a granada, reagir, abaixar, pegá-la, se posicionar, levantar o braço e arremessá-la de volta, longe o suficiente para que a explosão não te atinja. Só vai dar certo se você for um dos caras mais sortudos do universo. E seja lá quem jogou a granada contra você, essa pessoa não vai ficar apenas olhando: ela provavelmente também estará atirando na sua direção.

Cobrir a granada com o capacete?

Já ouvi este conselho estranho algumas vezes. Abaixo segue uma imagem do restante do capacete de Jason Dunham, ganhador de uma medalha de honra. Enquanto combatia um inimigo em campo, ele percebeu que o adversário havia jogado uma granada em seus pés. Dunham a cobriu com o capacete e o próprio corpo e morreu dos ferimentos causados pela explosão. O capacete foi destruído, mas na imagem abaixo é possível ver as tiras de Kevlar e alguns pedaços do capacete.

Como o capacete cobriu a granada, ele absorveu a força da explosão e os estilhaços (inclusive os pedaços que seriam direcionados para longe). Se a granada estivesse no chão ao lado do soldado, este capacete estaria praticamente intacto, mas mesmo assim Dunham morreria.

Isso ilustra quão importante é minimizar exposição e maximizar proteção quando se lida com uma granada. Cada parte do seu corpo que estiver protegida da explosão e cada estilhaço que voa para longe de você maximizam suas chances de sobrevivência.

kwfccwzkqf7krvqfbbqp

Em 2003, quando eu estava no Iraque, nós estávamos executando uma operação de busca em Bagdá. Havia uma casa na qual acreditávamos que os insurgentes estavam se escondendo. Eu estava do lado de fora quando a equipe Bravo foi averiguá-la.

Eles foram imediatamente recebidos com tiros assim que entraram pela porta, e alguém do segundo andar arremessou uma granada russa do tipo RGD escada abaixo. Ela deslizou até o chão, fazendo todo mundo se desesperar procurando se proteger… mas ela não explodiu. Granadas assustam. Não mexa com elas. O mundo real não é um Call of Duty, e você não pode simplesmente apertar a tecla “G” para jogá-las de volta, e muito menos correr delas. Apenas lembre de se jogar no chão e, se possível, atrás de alguma coisa.

Imagens: Wikimedia Commons