Ontem à noite, entre 23h e meia noite, vários estados da região Nordeste passaram por um apagão. Em alguns locais a energia levou até quatro horas para ser restabelecida. O que aconteceu desta vez?

O Operador Nacional do Sistema ainda não sabe, mas Hermes Chipp, diretor-geral do ONS, tem suspeitos. Ao Bom Dia Brasil, da Globo, ele disse:



“Isso [reunião para determinar as causas do apagão] vai acontecer às 11h, em uma reunião já convocada pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, mas, a princípio, sem identificação de causa com precisão ainda, houve um incêndio em uma chave seccionadora de um capacitor-série no circuito 2 da linha de transmissão de 500kv entre as subestações de Colinas e Imperatriz, a interligação que liga o sistema Norte-Nordeste ao Sul-Sudeste”

Chipp ainda fez questão de ressaltar que o problema não derivou de falta de manutenção ou equipamento sucateado. Embora reconheça o sistema em uso no país seja da década de 1960 e esteja sendo substituído por um mais moderno, segundo ele o equipamento que deu problema é “relativamente novo, é o mais novo, foi colocado mais recentemente. Não foi por idade, por manutenção, nada disso. As coisas estão todas em dia, e é um equipamento relativamente novo.”

O blecaute atingiu os nove estados da região Nordeste (Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Alagoas, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) e chegou também a partes dos estados do Pará, Tocantis e do Distrito Federal. Há pouco mais de um mês, no dia 22 de setembro, a região havia passado por uma situação parecida. Um problema nas interligações Sudeste/Norte e Sudeste/Nordeste afetou o fornecimento de energia de parte da região Nordeste.

O diretor-geral do ONS ainda disse um sistema livre de apagões é impossível:

“A gente faz todos os esforços para evitar, mas dizer que não vai ter apagão é impossível, porque equipamento falha. Está acontecendo com intervalo de tempo pequeno, mas fica uma série de tempo sem acontecer. (…) O sistema é de dimensão continental, então há desligamentos menores, que não têm tanto impacto. Esses desligamentos maiores vamos tratar com prioridade absoluta.”

O conselho vale sempre, mas não custa nada reforçar: mantenha seus gadgets sempre carregados! [Bom Dia Brasil]