Desde 1960, muitos acreditavam que o Projeto Xanadu mudaria o mundo. Mas, década após década, isso não aconteceu. Depois de 54 anos em desenvolvimento, o software mais atrasado do mundo está enfim disponível.

Agora ele se chama OpenXanadu: descrito como “o projeto original de hipertexto”, o software é uma ferramenta mais avançada para conectar textos entre si.

Ele promete links que nunca param de funcionar, documentos que podem ser comparados lado a lado, e um sistema de copyright mais organizado. O americano Ted Nelson, que teve a ideia do Xanadu nos anos 60, diz que isso é bem melhor do que o HTML se tornou:

A web banalizou este modelo original do Xanadu, simplificando muito – mas incorretamente – esses problemas ao criar um mundo de links de mão única e frágeis, que sempre param de funcionar; sem reconhecimento de mudanças ou de direitos de autor; e sem suporte para várias versões ou reutilização de textos.

Se ele estivesse pronto a tempo, havia uma boa chance de a web original ser baseada em Xanadu, em vez de HTML. “Nós pisamos na bola nos anos 80, e perdemos nossa chance de ser o hipertexto mundial (a web pegou esse nicho)”, diz Nelson. Eis um breve histórico:

  • após concluir seu mestrado em Harvard, onde ele teve a ideia do Xanadu, Ted Nelson publicou um paper sobre o assunto em 1965;
  • Nelson publica suas ideias sobre o Xanadu em dois livros, de 1974 e 1981;
  • em 1979, Nelson se reuniu com alguns colegas para desenvolver o Xanadu, mas não deu certo;

PTF2CLO8

ianlines

  • em 2007, tivemos mais outra implementação incompleta, o XanaduSpace;

fwDemoOrigins-panorama2

  • em 2014, chega o OpenXanadu.

Mas, no site do projeto, eles avisam que ele não é “open-source” – é apenas aberto ao público. Por enquanto, o único exemplo disponível está neste link: no centro, temos um texto que cita outros, e as fontes estão reunidas nas laterais – basta clicar na coluna, e o texto-fonte se abre.

Na próxima versão, o OpenXanadu promete trazer conteúdo através de um servidor, em vez de baixá-lo e exibi-lo de uma só vez – ou seja, “você e qualquer pessoa poderá publicar xanadocs”. Xanadocs! Esse nome será um sucesso no Brasil.

O OpenXanadu tem algumas limitações quando exibido em navegadores, já que eles não são pensados para a “estrutura xanalógica”. Este é um dos motivos para Ted Nelson não querer mais competir com o HTML, já estabelecido: “ainda podemos competir com o PDF, que simula papel, ao mostrar conexões de texto”. 54 anos depois, será que ele ainda tem chance? [The Guardian]