Parece uma pesquisa besta que faria as pessoas reagirem com um desanimado “legal”, mas químicos da Universidade da California, em Irvine, descobriram uma forma de “descozinhar” clara de ovos – voltar da forma sólida para a forma líquida – e o processo por trás da inovação promete diminuir o preço da produção de remédios contra o câncer e outras drogas caras.

O ato de “descozinhar” um ovo que ficou 20 minutos em água quente é só uma maneira divertida de mostrar quão poderoso esse processo pode ser. De uma forma mais prática, significa que cientistas podem usar e reciclar proteínas moleculares que tendem a se transformar em pequenas formas e estruturas que as tornam inúteis quando produzidas. Ou seja, muitas das vezes as proteínas que cientistas produzem em laboratório terminam como ovo cozido, quando eles precisam que elas sejam líquidas como ovos crus.

O novo processo soa um pouco complicado:

Para recriar a proteína conhecida como lisozima depois que um ovo foi cozido, é adicionada uma espécia de ureia que “come” a clara do ovo, liquidificando o material sólido. Isso é metade do processo; a nível molecular, pedaços de proteína continuam presos a massas inutilizáveis. Os cientistas então aplicam uma vórtice líquida, feita com uma poderosa máquina criada pelo Professor Colin Raston, do laboratório da Universidade de Flinders, na África do Sul. Um fino microfilme aplica pressão às massas restantes, forçando-as a voltar à forma líquida.

Este novo método leva apenas algumas minutos para desembaraçar as proteínas sólidas, enquanto métodos mais antigos e mais caros podem levar até quatro dias. Esse processo mais rápido pode simplificar e agilizar a produção de muitas proteínas que muitos remédios para câncer precisam, permitindo que elas sejam recicladas de matérias-primas mais simples. E se empresas farmacêuticas forem capazes de produzir estes remédios de forma mais barata e rápida, existe a esperança de que a nova descoberta signifique remédios de tratamento contra o câncer mais baratos.

[UC Irvine via Popular Science via Technabob]